Rádio Observador

Festival Eurovisão da Canção

Conan Osiris parte este sábado para Israel. No dia 14, vai atuar na primeira semifinal da Eurovisão

104

O representante português na Eurovisão viaja este sábado para Tel Aviv, onde no dia 14 atuará na primeira semifinal do concurso. Para as casas de apostas, não é favorito, mas deve passar à final.

DIOGO VENTURA/OBSERVADOR

O compositor e cantor português Conan Osiris vai partir este sábado de manhã para Tel Aviv, onde irá representar Portugal no Festival Eurovisão da Canção. O autor e intérprete do tema “Telemóveis” vai atuar a 14 de maio (uma terça-feira) na primeira semifinal do concurso. Será o 15º concorrente a atuar nessa primeira semifinal.

Conan Osiris, que foi alvo de vários apelos para boicotar o Festival Eurovisão da Canção por este se realizar em Israel — incluindo do músico dos Pink Floyd, Roger Waters —, é neste momento o 12º favorito a vencer o festival, segundo preveem as casas de apostas internacionais. O concorrente holandês Duncan Laurence surge como grande favorito à vitória, seguido pelo russo Sergey Lazarev e, num terceiro grupo de favoritos, pelo suíço Luca Hänni, pelo italiano Mahmood e pelo sueco John Lundvik.

Salvador Sobral, o único concorrente português a vencer o Festival Eurovisão da Canção (em 2017, com o tema “Amar Pelos Dois”, composto pela irmã Luísa Sobral), já previu que Conan Osiris “tem tudo para ganhar” o concurso, porque “é o que eles querem: [alguém que tenha] impacto, que seja muito diferente e que se distinga. Tem tudo: a música, a maneira como ele está vestido, tem tudo para ganhar aquilo”. Tem, essencialmente, o fator “wow”, apontou ainda o cantor de “Amar pelos Dois”, assumindo que a música do autor de “Telemóveis” não faz “o seu estilo”.

Mais veemente ainda, o investigador português Jorge Mangorrinha, que tem dedicado alguns dos seus estudos ao Festival Eurovisão da Canção, descreveu Conan Osiris como “um génio” e “uma pedrada no charco” que pode vencer o festival. Para Mangorrinha, o tema do músico “não é uma obra-prima literária nem musical, do ponto de vista da construção clássica de uma canção”, como é “Amar pelos Dois”, mas é “uma originalidade, uma espécie de despertar de consciências”, que faz a diferença e merece já o apoio de grupos de fãs.

Em março, após vencer o Festival da Canção e tornar-se o próximo representante Portugal no concurso internacional de canções da Eurovisão, Conan Osiris desvalorizou os efeitos a longo prazo da divisão de opiniões que provocou com “Telemóveis”: “Na internet hoje acontece uma coisa e parece que é a última coisa a acontecer antes do apocalipse, de repente passado uma semana já ninguém se lembra daquilo. As coisas têm a sua polarização mas também é uma questão de prazo”, apontou.

Relativamente aos apelos para não atuar em Israel, devido às acusações de desrespeito pelos direitos humanos imputadas ao governo do país, Conan Osiris afirmou que o tema é “super difícil de analisar e eu não serei a pessoa mais indicada para a analisar sozinho. Estou permeável a receber informação e a estudar as coisas. Estou nesse processo de estudo. Infelizmente — aproveito para deixar a mensagem — há disciplinas de moral religiosa e católica e disciplinas de formação cívica na escola em que pouco se faz, mas não há disciplina de política, nem de política global e geopolítica. É uma lacuna que eu próprio acabo por ter e é uma falha que deveria ser colmatada pelo próprio sistema educacional. Nesse parâmetro, ainda estou a estudar as coisas”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: gcorreia@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)