Rádio Observador

Festival Eurovisão da Canção

Roger Waters escreve a Conan Osiris e pede-lhe que não vá à Eurovisão em Israel

1.646

O ex-vocalista dos Pink Floyd escreveu uma carta "ao jovem e talentoso cantor português" e pediu-lhe para não ir à Eurovisão em Israel. "Tem aqui a oportunidade de erguer a sua voz pela vida".

Conan Osiris vai representar Portugal no Festival Eurovisão da Canção em maio

DIOGO VENTURA/OBSERVADOR

Roger Waters usou as contas de Instagram e de Facebook para contar aos fãs que enviou “uma carta pessoal ao jovem e talentoso cantor português” Conan Osiris, pedindo-lhe que opte por “erguer a voz pela vida e contra a morte” — não comparecendo no Festival da Eurovisão em Israel.

Apesar de o o cantor português ainda não lhe ter respondido, o ex-vocalista dos Pink Floy pede-lhe para ser “o” finalista que fará a diferença — “que tem amor suficiente no coração para se erguer” e que “será lembrado por se ter colocado do lado certo da história, o do amor, da paz verdadeira e da justiça”.

Sobre a canção com que Conan Osris vai representar Portugal na Eurovisão, “Telemóveis”, Roger Waters diz que tem uma tradução da letra e que esta fala da utilização do telemóvel para fazer perguntas sobre a vida, morte e amor. “Isto é bastante profundo”, escreveu.

Na minha carta, expliquei que a Eurovisão poderia ser um ponto de viragem, pedi a Conan que se levantasse e fizesse a diferença. Infelizmente, até agora, não há resposta de Conan”, lê-se na publicação.

Num vídeo que se dirige aos 42 finalistas da Eurovisão, Roger Waters pede a Conan Osiris que seja ele a dar o exemplo aos restantes, “recusando-se a atuar diante uma uma audiência segregada em Telavive”.

O músico e ativista britânico acrescenta: “Fontes em quem confio dizem-me que o jovem Conan tem sido pessoalmente abordado e persuadido pela organização Creative Community for Peace (CCfP) para ir à final. Ahhhh! E para quem não sabe, a CCfP tem sido exposta por ser cúmplice do governo israelita de extrema-direita e apoiar organizações de propaganda como a “Stand With Us” ou a “The Israel Emergency Fund”.

Roger Waters termina a carta escrevendo: “Sê esta pessoa, Conan. Faz isto. Com amor, Roger”.

Mais de uma centena de artistas de todo o mundo, incluindo portugueses, têm apelado a um boicote ao Festival Eurovisão da Canção 2019, que vai decorrer em Israel.

O músico e o compositor José Mário Branco, o cantor Francisco Fanhais, o diretor artístico do Teatro Nacional D. Maria II, Tiago Rodrigues, a escritora e artista de teatro Patrícia Portela, o músico Chullage, o realizador António-Pedro Vasconcelos e o escritor José Luís Peixoto subscreveram uma carta que é assinada por cerca de 140 cantores, músicos, atores e escritores de vários países, onde se argumenta que não deverão existir relações próximas com o Estado israelita, até que os palestinianos tenham “liberdade, justiça e igualdade de direitos”.

O apelo ao boicote começou em junho do ano passado, com diversas organizações culturais palestinianas a afirmarem que “o regime israelita de ocupação militar, colonialismo e apartheid está descaradamente a usar a Eurovisão como parte da sua estratégia oficial ‘Brand Israel’, que tenta mostrar ‘a face mais bonita de Israel’ para branquear e desviar a atenção dos crimes de guerra contra os palestinianos”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)