[ATENÇÃO: este texto tem SPOILERS sobre a oitava temporada da Guerra dos Tronos. Se não quer saber mais, não leia]

A “Guerra dos Tronos” é melhor quando deixa falar as suas melhores personagens. E as melhores personagens da “Guerra dos Tronos” não são as que a disputam, mas as que apenas a observam. Não são os reis nem os príncipes; são fundamentalmente os conselheiros e um ou outro soldado. Cumpridos dois terços da temporada final, e supondo que já podemos todos assumir, em Alto Valiriano, que isto não está a ser grande espingarda, o episódio 4 salva-se da previsibilidade entregando-se nas mãos de Tyrion, Varys (enfim), Jaime ou mesmo Bronn.

Estamos na ressaca da batalha contra os mortos e os primeiros 20 minutos são ocupados apenas com duas longuíssimas cenas: a homenagem aos caídos e o serão de copos comemorativo. Mas, quando chegarmos ao final da hora e um quarto que dura o episódio, já estaremos diante em King’s Landng, com as tropas de Cersei e Daenerys prontíssimas para se fazerem mutuamente a folha.

E uma vez que quem viu o episódio sabe o que se passou e que quem não viu não quer saber, ataquemos a crónica em novo estilo: o homem a homem.

Jon Snow: Está bem. Está a ficar com voz grossa e continua sem infringir um único princípio. É cada vez mais admirado pelos seus e portanto temido pela namorada, que também é a tia. Despediu-se dos melhores amigos, lobo incluído, e desbroncou-se à família inteira acerca daquele pequeno pormenor de não ser realmente da família.

Arya Stark: No episódio passado, saltou para cima do Night King, depois de, no anterior, já ter saltado para cima de Gendry. Agora, descarta Gendry e parte com Clegane, “The Hound”. É a verdadeira matadora, ainda que, na nossa consciência, sempre um pouco surpreendente naquela cara de quem pode ter de entrar para a aula de Físico-Química a qualquer momento.

Jaime Lannister: Tem uma das melhores cenas do episódio com o irmão Tyrion e, depois, com Bronn. Parte, no final, com um sabor ao velho Jaime que se saúda. Pelo meio, dá novos mundo ao mundo de Brienne of Tarth, fazendo-nos pensar que diabo lhe terá passado pela… Bom, ao menos não é a irmã.

Os dragões: Foi daqueles que, no episódio da semana passada, se ficou a perguntar se teriam morrido dois dragões ou apenas um? Bem, digamos que não vale a pena perder muito mais tempo a pensar mais nisso. Até porque, aparentemente, o animal que até aqui representou a superioridade decisiva em combate, não passa, afinal, de um pato super-desenvolvido, que se abate com um tiro certeiro.

Daenerys: Caminha, inapelavelmente, para o sarilho. Começa o episódio por parecer no controlo da situação, distribuindo títulos e apoios, e acaba a implorar um silêncio que o bom escuteiro Jon não lhe poderá dar.

Cersei: Volta, finalmente, a aparecer depois de dois episódios e 56 minutos de ausência, parece cada vez mais a rainha má da “Branca de Neve”, mas continua a fazer tão bem o mal…

Grey Worm: Candidato a personagem mais irrelevante da série com mais tempo de atenção. Passa metade do episódio a fazer cara de muito zangado em segundo plano. Só não se percebe se foi porque lhe raptaram a namorada ou porque lhe deram um toque no carro.

Sansa Stark: Uma das poucas personagens que ainda está em trajectória ascendente e virtuosa. Cada vez mais madura, densa e inteligente. Já nem sequer nos chateia se, no fim, ficar ela a mandar naquilo tudo.

Lord Varys: Depois de séculos de desaparecimento e figuração especial, regressa em grande para dominar um conjunto de cenas acerca de filosofia política. Quem não gosta, coma só as batatas; GoT viveu em tempos desta intriga e perdeu-a para um jogo que é, por vezes, apenas telenovela sofisticada.

Tormund Giantsbane: Depois de ter animado os episódios desta temporada final como o irlandês bêbedo, mas divertido de um mundo onde, em princípio, não há Irlanda, retira-se para casa, agora que passou a praga zombie, e porque diz que não se dá bem com o sul. Já não se fazem selvagens como antigamente.

Brienne of Tarth: Conseguiu arranjar uma camisinha de noite para vir cá fora chorar e ver partir o amado. O amor faz muito mal às cavaleiras impiedosas. Vá lá que sempre se arranja uma lojinha de roupa em Winterfell.

Faltam apenas dois episódios para o final da “Guerra dos Tronos” e já todos começamos a perceber que a vida, afinal, vai mesmo continuar. Só ainda não sabemos ao certo o que faremos nessa noite. Corremos para o Marquês?