Rádio Observador

Festas de Lisboa

Festas de Lisboa com funambulismo, fado no castelo e um concerto dedicado a António Variações

595

Estão aí as Festas de Lisboa. O programa, divulgado esta terça-feira, inclui música, teatro e um espetáculo com uma das maiores artistas de funambulismo. Encerramento será feito ao som de Variações

Os arraiais são um dos pontos altos das festas populares lisboetas, que se prolongam por todo o mês de junho

PATRICIA AMARAL / OBSERVADOR

Este ano, as Festas de Lisboa vão começar de outra forma. No dia 1 de junho, pelas 19h30, Tatiana-Mosio Bongonga, uma das maiores artistas de funambulismo, vai percorrer 300 metros numa corda bamba de arame esticada a 33 metros de altura na Alameda D. Afonso Henriques, em direção à Fonte Luminosa. A atuação, que fará adivinhar novos horizontes numa alusão à viagem de circum-navegação de Fernão de Magalhães, será feita ao som da Banda da Armada e contará com a participação da companhia circense Basinga.

O espetáculo de Bongonga é apenas um dos muitos eventos que preenchem a extensa programação das festas populares lisboetas, apresentada esta terça-feira, e que inclui, como sempre, arraiais um pouco por toda a cidade, o desfile das marchas populares na Avenida da Liberdade (na noite de 12 de junho), os casamentos de Santo António (também no dia 12) e os tronos dedicados ao padroeiro. Haverá ainda muita música, exposições, teatro e até desporto, com a Corrida de Santo António, no dia do arranque das festividades.

Os arraiais começam logo no dia 1 e, excluindo alguns casos, irão manter-se até ao final do mês. O Arraial Pride vai acontecer este ano a 22 de junho, novamente na Praça do Comércio, das 16h às 4h. Os Santos Pecadores, no Pátio dos Lagares, vai acontecer uma semana antes, a 12 de junho. A “festa mais herege da cidade” promete viajar pelas raízes ancestrais sul-americanas até à extravagância urbana, passando pelo afro eletrónico. Depois do desfile na Avenida da Liberdade, as marchas farão exibições a 7, 8 e 9 de junho na Altice Arena. No dia 15, será a vez das Marchas Infantis se passearem pelas ruas de Belém.

O LU.CA faz anos e a festa vai fazer-se dentro e fora de portas

Será durante as Festas de Lisboa que será celebrado o primeiro aniversário do LU.CA — Teatro Luís de Camões, que abriu portas a 1 de junho do ano passado. Durante três dias, a começar a 31 de maio, o espaço pensado para o público infantil terá uma programação especial e gratuita, que começará no interior do teatro e terminará na rua, onde haverá propostas sobre a história do LU.CA, oficinas e o espetáculos, claro. Também a pensar nos mais pequenos, no primeiro dia do mês, será assinalado o Dia Mundial da Criança com o espetáculo de teatro Guardar Segredo, no Jardim da Quinta das Conchas.

Entre as muitas exposições organizadas para o mês das festas, incluem-se a mostra 100% Sardinha, onde estarão as seis ilustrações vencedoras do concurso das sardinhas de Lisboa, e A Procissão de Santo António de Lisboa, organizada pelo museu da cidade. Nesta exposição, patente até 30 de junho, contar-se-á a história da procissão que, desde o século XVIII, se realiza no dia 13 de junho em Lisboa. Esta incluirá, pela primeira vez, a representação do cortejo através de mais de 300 peças da autoria dos Irmãos Baraça, família associada ao figurado de Barcelos. No dia 13, o Museu Arpad-Szenes Vieira da Silva vai estar em festa entre as 17h e as 22h. Às 2h30, o ponto alto das celebrações, haverá um espetáculo de video mapping na fachada do museu e no Jardim das Amoreiras, onde fica localizado.

No que diz ainda respeito às exposições, a programação inclui ainda propostas como Ponto de Fuga, de António Cachola, História secreta da aviação e outros meteoritos, de Manuel Zimbro, e Ni le soleil ni la mort, de João Louro. Haverá também espaço para os livros com a Noite da Literatura Europeia, a 8 de junho, e o início da Feira do Livro, que regressa ao Parque Eduardo VII de 29 de maio a 16 de junho.

Já perto do final das Festas de Lisboa, o cinema estará assegurado por mais um CineConchas, que decorrerá de 27 a 29 de junho, sempre às 21h45. “A Revolução Silenciosa” (Lars Kraume), “Hunter Killer” (Donavan Marsh) e “Força Ralph: Ralph vs. Internet” (Phil Johnston e Rich Moore) serão os filmes apresentados. A entrada é livre. Os 500 anos da circum-navegação de Fernão de Magalhães inspiraram o espetáculo Linhagem, do compositor Eurico Carrapatoso, com textos de Fernando Pessoa, D. Dinis e Camilo Pessanha.

O fado volta ao castelo e a homenagem a António Variações

Este ano, o fado vai voltar ao castelo com dois concertos improváveis — o de Ana Moura e Sopa da Pedra (14 de junho) e o de Raquel Tavares e Gospel Collective (15 de junho). Também o festival Com’Paço regressará para apresentar bandas filarmónicas de todo o país em três jardins da cidade (Estrela, Arco do Cego e Alameda D. Afonso Henriques). O concerto de encerramento, com a Banda de Jovens Músicos Com’Paço, terá uma convidada especial — Anabela. O que também já não é novidade é o Lisboa Mistura, um festival de música que celebra a diversidade que faz parte da génese da cidade e que no mês de junho passará pela Quinta das Conchas. De entrada gratuita, incluirá atuações de músicos do Médio Oriente, da América do Norte e de África, nos dias 8 a 10 de junho. Já a Festa do Japão acontecerá a 22 de junho, em Belém.

O concerto de encerramento será dedicado a António Variações, que faria 75 anos. No dia 29 de junho, a partir das 22h, vão passar pelo Jardim da Torre de Belém Ana Bacalhão, Conan Osiris, Lena D’Água, Manuela Azevedo, Paulo Bragança e Selma Uamusse, que interpretarão temas do artista acompanhados pela Orquestra Metropolitana de Lisboa. Os arranjos sinfónicos são de Filipe Melo, Filipe Raposo e Pedro Moreira. A entrada é também livre.

O programa completo das Festas de Lisboa, que decorrem do final de maio a 30 de junho, pode ser consultado aqui

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)