Rádio Observador

Liga das Nações

Liga das Nações. Pensada por um português, organizada em Portugal e a colocar o Engenheiro no topo da história

6.904

Tiago Craveiro fez o esboço inicial da Liga das Nações, Federação ganhou organização de Final Four e Fernando Santos conquistou o segundo troféu na história da Seleção – com outro recorde à mistura.

Cristiano Ronaldo, o capitão, entrega o troféu a Fernando Santos, o treinador: Portugal venceu a primeira edição da Liga das Nações

FILIPE AMORIM/OBSERVADOR

Tudo terá começado ainda no longínquo ano de 2014, quando Portugal tinha apenas no seu currículo a nível sénior uma final perdida frente à Grécia, no Campeonato da Europa de 2004. Nessa altura, Tiago Craveiro, diretor geral da Federação Portuguesa de Futebol, discutia com o grego Theodore Theodoridis, que era o líder do Comité de Competições de seleções, uma nova prova que pudesse acabar de vez com os particulares que pouco ou nada acrescentavam aos próprios técnicos nacionais e pudesse trazer outro tipo de competitividade de receitas nos anos em que não houvesse fases finais de Europeus ou Mundiais. Tirou notas, num caderno. Uns anos depois, percebe-se que foi daí que nasceu aquilo que hoje se festeja: a Liga das Nações.

Michel Platini, que era à data presidente da UEFA, recebeu de Gianni Infantino esse draft de ideias através de uma fotografia e teve dúvidas sobre a possibilidade. As oportunidades que daí poderiam nascer eram percetíveis mas, como contou o jornal Record, as renitências eram muitas, o que promoveu um encontro com algumas das principais federações europeias. Wolfgang Niersbach, da Alemanha, mostrou-se contra. Michel van Praag, da Holanda, também. Ángel Villar, da Espanha, idem. Quando Tiago Craveiro respondeu às dúvidas existentes, mostrando ainda o impacto financeiro que daí poderia surgir através das próprias transmissões televisivas, percebeu-se que afinal poderia fazer sentido. Com um novo líder na UEFA, o esloveno Aleksander Ceferin, a Liga das Nações avançou mesmo e Portugal conquistou a sua primeira edição, tendo organizado a Final Four da competição no Porto e em Guimarães com Suíça, Holanda e Inglaterra (a isso podemos acrescentar ainda no toque made in Portugal da prova as empresas que estiveram ligadas à criação do logo e do troféu oficial).

Depois do triunfo no Campeonato da Europa de 2016, em França, a Seleção Nacional conquistou mais um grande troféu, quase que apagando também a derrota no jogo decisivo do Europeu de 2004 na Luz, com a Grécia. Ponto comum aos dois sucessos, jogadores à parte: Fernando Santos, o Engenheiro que comandou Portugal às duas maiores páginas de sucesso. Um feito ao nível que tinham conseguido Vicente del Bosque e Joakim Löw por Espanha e Alemanha, respetivamente.

Existem ainda dois fatores adicionais a este feito, um económico e um desportivo. Na soma total do dinheiro que recebeu pela participação na prova (2,25 milhões), pela vitória no grupo A com Polónia e Itália (2,25 milhões) e pelo triunfo na Final Four da competição (seis milhões), os seis jogos de Portugal nesta primeira edição da Liga das Nações – que se realiza apenas nos anos ímpares, para não coincidir com as fases finais de Europeus e Mundiais – acabaram por render 10,5 milhões de euros. Dentro das quatro linhas, existe um maior “conforto”: caso a Seleção Nacional não assegure um dos dois primeiros lugares no grupo de qualificação para o próximo Campeonato da Europa (onde está com Ucrânia, Sérvia, Lituânia e Luxemburgo, com dois empates nas duas partidas iniciais), já tem garantida a presença no playoff seguinte de apuramento.

“Os jogadores têm feito um trabalho fantástico. Não temos tempo para criar rotinas e automatismos, eles acreditam no treinador. Às vezes as coisas não são perfeita, mas não é por falta de empenho. Para este jogo entendi que esta era a melhor forma para ganhar. Mesmo nos momentos maus esta equipa é fortíssima. Não é só a entidade A, B, ou C, são 60 ou 70 pessoas que quando se encontram vêm com um sorriso nos lábios. Para nós é um grande prazer estarmos juntos num estágio, nem que seja só de seis ou sete dias”, destacou o selecionador nacional no final do encontro, já na sala de conferências de imprensa.

“Graças a Deus que vamos atrás dos objetivos, procuramos com toda a capacidade, os jogadores são incansáveis. Isto é fruto do trabalho deles e dos meios que a Federação coloca à nossa disposição. Há cinco anos que somos uma família quase indestrutível, que sabe do que é capaz e o que pode fazer. Sabíamos que podíamos vencer este jogo. Sempre disse isso aos jogadores, eles sabiam que podíamos ganhar. Do outro lado tivemos um grande adversário, a Holanda é uma grande equipa mas Portugal fez um excelente jogo”, tinha salientado antes, a propósito de uma final onde a Seleção conseguiu sempre ser melhor.

Mas esta foi também uma semana especial para Fernando Santos, um técnico sempre avesso aos destaques individuais ao seu trabalho: depois do triunfo com a Suíça, o Engenheiro tornou-se o selecionador com mais vitórias pela equipa portuguesa em jogos oficiais, superando os 25 triunfos de Luiz Felipe Scolari; esta noite, subiu para os 27 e também aí aumentou o seu legado, que poderá ser prolongado agora nas partidas de qualificação para o próximo Europeu.

“Esta alegria é para os portugueses, pelo apoio constante que nos deram, mais uma vez a claque. As claques são fundamentais, houve momentos em que parecia que o jogo estava a acalmar e a claque puxava por eles [jogadores]. A Seleção Nacional é, acima de tudo, a representação do povo. Quando digo o povo digo as pessoas, os portugueses. Hoje é a véspera do Dia de Portugal, amanhã será ainda mais risonho. É assim quando se ganha. Muito obrigado a eles. Divirtam-se que eu também o vou fazer”, comentou. “Gratidão? “Não gosto de falar sobre mim, acho presunção. A apreciação do meu trabalho tem de ser feita por vocês, o que vou levar é este carinho que sinto na rua todos os dias. Este carinho é o ‘obrigado’. Escusam de o dizer, porque foi de muito boa vontade”, concluiu o selecionador nacional ainda no Estádio do Dragão.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)