Rádio Observador

Videojogos

Fortnite. Mãe chegou a “atirar uma Xbox fora”. Agora, filho é um dos vencedores milionários do Mundial

348

Jaden Ashman, 15 anos, foi uma das figuras do Mundial - vai dividir mais de 2 milhões de euros com o parceiro no torneio de duos. Já Kyle Giersdorf, o grande vencedor, leva para casa 2,7 milhões.

Jaden Ashman, que competiu pelo nome de Wolfiez, conseguiu alcançar o segundo lugar na competição em duos

Jaden Ashman, um jovem britânico de 15 anos, passa cerca de oito horas por dia a jogar Fortnite. Uma rotina vista com maus olhos pela mãe, Lisa Dallman, que admite ter tentado várias vezes impedir o filho de dedicar tanto tempo aos videojogos. Agora, Ashman é um dos grandes vencedores do Mundial de Fortnite e vai levar para casa mais de um milhão de euros.

Sou honesta, tenho sido bastante contra ele jogar. Tenho tentado pressioná-lo a fazer mais tarefas da escola. Na verdade, eu atirei uma Xbox fora, destruí uns auscultadores — passámos um pesadelo”, confessou, citada pelo The Guardian.

No entanto, os tempos de maior desentendimento terminaram. Lisa garante que atualmente apoia a carreira do filho, Jaden Ashman, que competiu pelo nome de Wolfiez e que, em conjunto com o seu companheiro de equipa Dave John, conseguiu alcançar o segundo lugar na competição em duos. Em conjunto, arrecadaram mais de 2 milhões de euros, que agora vão dividir.

“A minha mãe não entendia como isto funcionava. Ela achava que eu passava oito horas por dia no meu quarto a perder o meu tempo. Agora porque que eu consegui fazer algo, estou muito feliz”, afirmou Ashman.

Mas a jogada de sorte que tornou este jovem milionário chegou a estar em risco — tudo porque o seu cão comeu a certidão de nascimento que precisava para conseguir um visto e voar para Nova Iorque, onde decorreu o torneio. “Isto não é uma piada, aconteceu mesmo”, confirmou.

Um lugar acima de Jaden e do companheiro Dave ficaram Emil Bergquist Pedersen, da Noruega, e o parceiro austríaco, David W. Nyhrox e Aqua, nomes que adotaram durante o jogo, que levaram para casa 2,7 milhões de euros.

Kyle Giersdorf também ganhou 2,7 milhões de euros, mas não terá de dividir o prémio com nenhum parceiro. O jovem de 16 anos da Pensilvânia foi o grande vencedor do Mundial de Fortnite, já que conquistou o torneio a solo. “Não há palavras que expliquem o que sinto neste momento, estou tão feliz”.

Kyle Giersdorf segura no troféu ao fim do torneio, no estádio Arthur Ashe.

O Fortnite é um dos jogos online mais populares. Conta com 250 milhões de participantes em todo o mundo. Cada um dos jogadores cria um avatar, que é lançado de paraquedas para uma ilha onde tem de procurar armas e outros equipamentos. O objetivo é matar todos os outros jogadores ao mesmo tempo que tem de sobreviver aos ataques dos inimigos. No final, neste modo de jogo que é chamado de Battle Royale, ganha quem sobrevive por último.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Museológica da batata /premium

Tiago Dores

Somos um povo com inclinação para a filosofia, com dotes de abstracção tão bons, tão bons, que acabamos por ser mais fortes a discorrer sobre museus imaginários do que a visitar museus reais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)