Rádio Observador

Tecnologia

Cientistas escoceses inventam “língua artificial” para detetar falsificações de whisky

O sistema foi capaz de detetar diferenças entre a mesma marca envelhecida em diferentes barris, com mais de 99% de precisão e também distinguir entre variedades de 12, 15 e 18 anos.

O investigador acrescentou que, embora a experiência se tenha concentrado no whisky, "a língua artificial poderia facilmente ser usada para testar virtualmente qualquer líquido, o que daria uma ampla variedade de aplicações"

FELIPE TRUEBA/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

Cientistas escoceses desenvolveram uma língua artificial que é capaz de detetar diferenças subtis entre distintas variedades de whisky e identificar falsificações.

Num artigo publicado hoje na revista britânica Nanoscale, da Real Academia de Química, é explicado como engenheiros e químicos das universidades de Glasgow e Strathclyde conseguiram construir “um pequeno provador” que explora as propriedades do ouro e do alumínio para identificar diferenças entre bebidas alcoólicas.

A equipa conseguiu que duas lâminas microscópicas de ouro e de alumínio, dispostas sobre um tabuleiro para agirem como papilas gustativas (aproximadamente 500 vezes menores do que os seus equivalentes humanos) da língua artificial, na qual derramaram amostras de whisky e mediram como absorvem a luz enquanto submersas.

O sistema foi capaz de detetar diferenças entre a mesma marca envelhecida em diferentes barris, com mais de 99% de precisão e também distinguir entre variedades de 12, 15 e 18 anos.

Alasdair Clark, da Escola de Engenharia da Universidade de Glasgow, disse que a invenção foi chamada “língua artificial” porque age de maneira semelhante ao órgão humano e disse que, embora não seja a primeira, é a que “fornece mais informações” sobre o sabor de cada amostra e “permite uma resposta mais rápida e precisa”.

O investigador acrescentou que, embora a experiência se tenha concentrado no whisky, “a língua artificial poderia facilmente ser usada para testar virtualmente qualquer líquido, o que daria uma ampla variedade de aplicações”.

“Além de seu óbvio potencial na identificação de álcoois falsificados, o dispositivo poderia ser usado em testes de segurança alimentar e controle de qualidade. Seria realmente útil em qualquer área onde seja necessário um método de degustação portátil e reutilizável”, concluiu o investigador.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)