Rádio Observador

Vodafone Paredes de Coura

Festival Paredes de Coura arranca com Bed Legs, Boogarins, Parcels e The National

Festival Paredes de Coura começa esta quarta-feira com os bracarenses Bed Legs no primeiro dia, que conta com as sonoridades de Boogarins, o coletivo congolense KOKOKO! e o regresso dos The National.

Às margens do rio Coura ainda apresentarão-se nomes como New Order, Patti Smith, Suede, Father John Misty ou Freddie Gibbs e Madlib

JOSE COELHO/EPA

O festival Paredes de Coura começa esta quarta-feira com os bracarenses Bed Legs a inaugurarem o primeiro dia, que conta com as sonoridades psicadélicas de Boogarins, o coletivo congolense KOKOKO! e culmina com o regresso dos The National.

A 27.ª edição do evento promete ser a “melhor de sempre”, segundo o diretor, João Carvalho, que, em entrevista à Lusa, havia destacado não só o regresso dos norte-americanos às margens do rio Taboão, mas também da australiana Julia Jacklin.

Depois do EP “Not Bad” e do disco “Black Bottle”, os Bed Legs inauguram o palco principal e apresentam o seu álbum homónimo, lançado no ano passado, que vai colocar a mexer os primeiros festivaleiros com o rock e blues do quinteto nortenho.

Ainda ao final da tarde, a australiana Julia Jacklin traz a Portugal a “mistura perfeita entre o sonhador indie-pop e o sincero alt-country”, com o recém-lançado “Crushing”, que sucede a “Don’t Let The Kids Win”, de 2016, e ainda ao álbum homónimo de Phantastic Ferniture, de 2018, um projeto que partilha com Liz Hughes, Ryan K. Brennan e Tom Stephens.

Também a apresentar trabalho editado este ano vão estar os Boogarins. O conjunto brasileiro estreia-se no festival com “Sombrou Dúvida”, lançado em maio, e admitiu à Lusa que o compromisso na Praia Fluvial do Taboão originou a recente direção europeia, um momento pelo qual aguardavam desde a primeira vinda a Portugal.

“Estamos sempre prontos para fazer música e dar a festa ao povo, estamos fora do Brasil há muito tempo. Paredes de Coura é o último concerto da tour, mas desde o início foi o mais esperado. Quando confirmámos Paredes [de Coura] fomos a outras praças e procurámos outros sítios na Europa”, admitiu o guitarrista Benke Ferraz, em entrevista à Lusa.

Seguem-se os australianos Parcels, que, depois de uma série de EP’s e ainda de uma colaboração com os Daft Punk, se estrearam no ano passado com o longa-duração homónimo, considerado pela crítica especializada como um dos melhores discos do ano. Os Parcels vão ‘aquecer’ o público com o seu groove antes da apoteose dos The National, prevista para as 00h45.

Os norte-americanos regressam ao festival, depois de terem atuado pela primeira vez em 2005. Desde aí, são várias as presenças e prémios acumulados pela banda de Matt Berninger, incluindo o mais recente “Sleep Well Beast”, de 2017, que venceu um Grammy na categoria de Melhor Álbum de Música Alternativo.

O fecho do palco principal abre espaço, às 02h25, para as sonoridades dos bairros e clubes de Kinshasa, a capital da República Democrática do Congo, pela mão dos KOKOKO!, um projeto que envolve um grupo de músicos do bairro de Ngwaka a desenvolverem repetidos padrões, a partir de instrumentos de cordas e objetos de percussão a partir de material reciclado.

A fechar a noite, o ator e DJ Nuno Lopes vai animar os mais resistentes com o seu habitual dj set, agendado para as 03h25, e assinalar o fecho do primeiro de quatro dias de música, que levam ainda às margens do rio Coura nomes como New Order, Patti Smith, Suede, Father John Misty ou Freddie Gibbs e Madlib.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)