Foi com o objetivo de ajudar atletas envolvidos em alta competição a conciliar a preparação desportiva com bons resultados escolares que o Governo lançou o projeto das Unidades de Apoio ao Alto Rendimento na Escola (UAARE), aposta que apesar de ainda estar numa fase primária já aparenta estar a dar bons resultados. Com a portaria que esta é publicada esta semana, fica criada a rede de escolas a que são acrescentadas mais três. Esta iniciativa, explica o Público, foi pensada para alunos do 3º ciclo do ensino secundário apesar de envolver estudantes mais novos — no total, estão abrangidos por estas UAARE desportistas de 40 modalidades, desde a canoagem à ginástica.

O mesmo diário acrescenta que nos primeiros sete meses deste ano, os alunos destas UAARE conseguiram garantir 17 lugares no pódio de competições mundiais das suas respetivas modalidades e outros 18 lugares no pódio em provas europeias, por exemplo. Também os índices de aproveitamento académico tem revelado sinais encorajadores, isto porque o índice de sucesso dos estudantes/atletas (calculado através do número de disciplinas em que tiveram notas positivas) foi de 93,5% no final do ano letivo de 2018/2019 — margem bastante acima da média nacional em quaisquer ciclos de estudos.

Vítor Pardal, o coordenador destas Unidades de Apoio ao Alto Rendimento na Escola, em declarações à Rádio Observador

Aquilo que começou como projeto piloto em 2017 — envolvia 60 alunos e quatro escolas — tem vindo a crescer consideravelmente, de tal forma que no ano letivo passado registou-se a participação de 413 atletas (no ano anterior eram 160). Estes sinais positivos justificam o reforço da aposta para o ano letivo que se aproxima, sendo que que às 16 escolas que já têm estas unidades vão ser adicionadas outras três (em Lagoa, Leiria e Lisboa). De acordo com o Público, o Ministério da Educação estima que em 2019/2020 o número de alunos-atletas suba para 600 e que estas UAARE  deixem de ser um projeto-piloto e passem a ser uma rede escolar sólida. Esta segunda-feira é publicado em Diário da República uma portaria que define os intervenientes no processo e o “compromisso de conciliação da carreira dupla”, bem condições de matrícula e ou renovação da inscrição destes estudantes.

Mais declarações do coordenador Vítor Pardal à Rádio Observador

Na prática, estas  UAARE dão aos seus estudantes várias ferramentas físicas e digitais que têm como objetivo salvaguardar o ensino continuado e adaptado à realidade exigente da vida de um atleta profissional de alta competição. Cada unidade tem um período de tempo reservado para que os alunos-atletas possam ter apoio personalizado, requisitar a presença de um professor da disciplina que pretendem trabalhar para tirar dúvidas, ou recuperar matéria, preparar para testes e exames. Há ainda, via internet, todos os materiais curriculares de apoio e até uma plataforma online que permite que mesmo estando e estágio ou competição os alunos possam manter-se a par daquilo que os seus colegas de turma estão a aprender.