Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Já são conhecidos todos os finalistas da edição de este ano do Festival da Canção, concurso musical organizado anualmente pela RTP que elege o representante de Portugal no Festival Eurovisão da Canção.

A segunda semifinal decorreu este sábado — foi transmitida em direto pela estação pública — e apurou mais quatro finalistas do concurso, que se juntaram a Tiago Nacarato e Bárbara Tinoco, Marta Carvalho e Elisa, Filipe Sambado e Throes & The Shine, apurados na semifinal anterior.

Os finalistas, que vão apresentar-se na grande final do Festival da Canção em Elvas, no próximo sábado, 7 de março, são escolhidos por júri (composto por várias figuras ligadas ao meio musical português) e público. Conheça os oito candidatos à sucessão de Conan Osiris como representante de Portugal na Eurovisão:

Autor: Jimmy P
Intérprete: Jimmy P
Canção: “Abensonhado”

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Os genes talvez o levassem para futebolista, já que o pai, Jorge Plácido (nascido em Angola), foi futebolista e até internacional português. Joel Plácido, assim é o seu nome de batismo, até experimentou os relvados, mas trocou o chamado “desporto-rei” pela música. Nascido no Barreiro, viveu também em Paris e no Porto.

Foi ainda em França que descobriu o hip-hop, que haveria de ser ponto de partida para um início de carreira que hoje está mais do que consolidada e que incorpora também as sonoridades da pop e do R&B. O tema que compôs para o Festival da Canção, “Abensonhado”, faz parte do seu quarto álbum de originais, editado este ano. Mais: dá título ao álbum de Jimmy P, que neste mês de fevereiro celebrou dez anos de carreira. É ainda autor de canções como “Ano Novo” (uma colaboração com Deejay Telio), “Entre as Estrelas” (dueto com Diogo Piçarra), “Kill’em All” — colaboração com o grupo de hip-hop Wet Bed Gang —, “Contigo”, que gravou com Carolina Deslandes, e “Os Melhores Anos”, canção com o rapper Valete.

Autor: Pedro Jóia
Intérprete: Tomás Luzia
Canção: “Mais Real Que o Amor”

O compositor de “Mais Real Que o Amor”, Pedro Jóia, é um dos mais reputados e consolidados músicos e guitarristas do panorama nacional. Passou pela Academia dos Amadores de Música (onde começou a estudar guitarra, ainda com sete anos) e estudou também no Conservatório Nacional. Versou-se em guitarra clássica e guitarra flamenca, tocou com músicos brasileiros como Ney Matogrosso e Gilberto Gil, colaborou com Mariza e teve vários projetos nos últimos anos como o Quarteto Arabesco, Resistência e Pedro Jóia Trio.

Para interpretar o seu tema “Mais Real Que o Amor”, Pedro Jóia convidou o jovem cantor Tomás Luzia. Nascido em 2002, tem 17 anos mas chegará à maioridade em abril. O intérprete revelou ao Sapo Mag que tem como inspirações cantores como Adele e Bruno Mars, que estudou música — nomeadamente saxofone — antes de começar a cantar num coro e que está agora a terminar o ensino secundário mas que pretende ser cantor e exprimir-se artisticamente através da música. Ao site Festivais da Canção, contou que também gosta de teatro e que é filho de Fernando Araújo, que teve como nome artístico Yami Aloelela e que chegou também a participar no Festival da Canção, nos anos 1990, com o grupo Safari. “É o início de algo que quero que seja a minha vida no futuro. Tenho apenas 17 anos e sinto que tenho uma sorte gigante por ter esta oportunidade”, contou ainda ao mesmo site.

Autor: Dino D’Santiago
Intérprete: Kady
Canção: “Diz Só”

O autor da música é bem mais conhecido do que a intérprete: Dino D’Santiago, cantor de ascendência cabo-verdiana nascido em Quarteira, no Algarve — que até já deu a cara por um novo festival relacionado com esta localidade algarvia, o Sou Quarteira —, começou a carreira nos universos hip-hop, soul e R&B, colaborando com rappers nacionais. No início dos anos 2000, passou pelo concurso musical Operação Triunfo. Enquanto cantor integrou projetos como os Nu Soul Family e os Expensive Soul, mas a sua imposição na música portuguesa aconteceu recentemente e a solo, após a edição do álbum Mundu Nôbu, em 2018, que lhe valeu atenção internacional. Desde aí já editou o EP (mini-álbum) Sotavento, em 2019, e serviu quase como cicerone da nova música portuguesa e da “Nova Lisboa”, que canta numa colaboração com o produtor musical Branko, para a norte-americana Madonna.

Dino D’Santiago escolheu Kady para interpretar o tema que compôs para o Festival da Canção, “Diz Só”, cuja letra foi escrita por Kalaf, antigo membro dos Buraka Som Sistema. Caboverdiana, nascida na Cidade da Praia, Kady lançou o seu primeiro álbum em 2016. Segundo conta o jornal Público, “é filha de uma das fundadoras do grupo [caboverdiano] Simentera, a cantora (também professora) Terezinha Araújo”, estudou nos EUA, aprendeu jazz e já cantou a solo e em crioulo estilos musicais como a “soul, hip-hop ou funk”, além do já mencionado jazz.

Autor: Elisa Rodrigues
Intérprete: Elisa Rodrigues
Canção: “Não Voltes Mais”

O primeiro álbum de Elisa Rodrigues como cantora, Heart Mouth Dialogues, foi lançado em 2011 e revelou-a desde logo como uma voz forte do panorama jazzístico nacional, capaz de interpretar com o seu cunho pessoal algumas canções maiores deste género musical. O primeiro álbum com canções originais demorou a chegar, mas por uma boa razão: Elisa Rodrigues foi convidada para cantar num álbum do grupo britânico These New Puritans, editado em 2013, e prosseguiu depois com o grupo como convidada e cantora em digressões da banda pelo mundo.

Em 2018, Elisa Rodrigues editou o seu primeiro álbum de canções originais. Produzido por Luísa Sobral e com sonoridades do jazz e blues, sobretudo, mas também da canção pop-rock, As Blue As Red era cantado maioritariamente em inglês. Já aí, porém, Elisa Rodrigues deixara sinais de que também poderia vir a cantar em português, interpretando um tema composto por Pedro da Silva Martins, “Vai Não Vai”, que acabou mesmo por ser uma das canções mais populares do álbum. Agora, a intérprete que também já é compositora e que em 2018 foi escolhida pelo Observador como uma das revelações femininas da música portuguesa do primeiro semestre desse ano compôs “Não Voltes Mais” para o Festival da Canção e decidiu interpretar o tema.

Autor: Tiago Nacarato
Intérprete: Bárbara Tinoco
Canção: “Passe-Partout”

Bárbara Tinoco é uma jovem cantora e compositora lisboeta que deu que falar pela sua participação na fase de casting do The Voice Portugal. Apesar de não ter conseguido ser apurada, a canção que apresentou no programa da RTP acabou por se tornar no seu primeiro single. “Antes Dela Dizer Sim” foi gravado no RF Estúdio e no Estúdio Zeco por Ricardo Ferreira, João Só e Nuno Simões.

O tema que Bárbara Tinoco apresentou nos estúdios da RTP, “Passe-Partout”, foi composto por Tiago Nacarato, músico que revelou o seu primeiro álbum de originais em 2019. Curiosamente, os dois estão nomeados este ano para artistas revelação da música nacional nos Play – Prémios da Música Portuguesa.

Autor: Marta Carvalho
Intérprete: Elisa
Canção: “Medo de Sentir”

Elisa Silva é outra jovem cantora de 20 anos. Natural da Madeira, começou a cantar “aos 7 anos, em festivais da escola” e a partir dos 13 começou “a levar a música mais a sério”, como contou ao Observador. O interesse pelo jazz levou-a a frequentar o curso do conservatório madeirense. Deu continuidade aos estudos musicais em Lisboa, na Escola Superior de Música, onde entrou em 2018. A artista está atualmente a preparar o primeiro álbum de originais, em colaboração com outros artistas nacionais.

A canção que interpretou na primeira semifinal do Festival da Canção, “Medo de Sentir”, foi composta por Marta Carvalho, cantora e compositora originária do Porto que passou pelo programa The Voice Portugal e que já revelou canções como “Deslizes”.

Autor: Filipe Sambado
Intérprete: Filipe Sambado
Canção: “Gerbera Amarela do Sul”

Parece impossível, mas Filipe Sambado conta quase com dez anos de carreira. O músico de 34 anos deu os primeiros passos no mundo da música em 2012, quando lançou o EP Isto Não É Coisa Pra Voltar a Acontecer. Felizmente, e ao contrário do que o título anunciava, Sambado voltou a acontecer, lançando o primeiro álbum, Ups… Fiz Isto Outra Vez, quatro anos depois. O disco de 2018, Filipe Sambado & Os Acompanhantes de Luxo, foi muito elogiado por quem lhe prestou atenção e acompanhou o nascer de uma identidade artística através da série de videoclips que lançou para o acompanhar.

A canção que levou ao Festival da Canção, “Gerbera Amarela do Sul”, composta por si, tem qualquer coisa de canção de intervenção de outros tempos e outros festivais, que contrasta fortemente com a imagem arrojada de Sambado em cima do palco. O cantor e compositor lançou em janeiro um novo álbum.

Autor: Throes + The Shine
Intérprete: Throes + The Shine
Canção: “Movimento”

Os Throes + The Shines são um trio da cidade do Porto que mistura kuduro, eletrónica e rock. Surgidos em 2011, lançaram o primeiro álbum de originais, Rockduro, em 2012. Contam atualmente com quatro discos e uma história marcada com algumas mudanças na formação. O último, Enza, contou com a participação de artistas como Cachupa Psicadélica, Mike El Nite, Selma Uamusse e Sotomayor.