Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Era o verão de 2011 e quatro rapazes num descapotável perseguiam garotas que seguiam numa 4L; e se isto dito assim em 2020 tem contornos assustadores, na realidade não havia nenhuma mensagem violenta ou abusadora ou anti-feminista nesse vídeo de “Dezassete anos”, o principal single de O Verão Eterno, o disco de estreia dos Capitães de Areia, desse mesmo ano  – era nostalgia pura da inocência da adolescência, servida via guitarras à Orange Juice e um refrão de pararas.

“Dezassete anos” era uma grande, grande canção pop, que pareceu chegar um pouco fora do tempo, já no final da cauda da nova música portuguesa: uns anos antes os Pontos Negros haviam explodido no éter digital e músicos até aí underground, como Tiago Guillul, Samuel Úria ou Jorge Cruz, começaram a ter exposição – entre as editoras FlorCaveira e AmorFúria escritores de canções talentosíssimos, como João Coração, B Fachada ou Os Golpes, chegaram às primeiras páginas dos jornais. E depois vieram os Diabo na Cruz – esses sim, capazes de chegar a multidões.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.