Apesar de atualmente existirem menos trabalhadores a descontar para a Segurança Social, o valor médio dos salários declarados ainda cresce tendo em conta o ano anterior, segundo o Diário de Notícias.

Nos primeiros seis meses de 2020 registaram-se menos 2,7% de salários declarados face ao ano que passou, segundo dados do Conselho das Finanças Públicas à execução orçamental da Segurança Social. Ainda assim, os salários declarados cresceram em média 1,4%. Também nos primeiros seis meses do ano, a Segurança Social teve uma quebra de receitas de 196 milhões de euros.

De acordo com o Conselho das Finanças Públicas, a perda de receita justifica-se tendo em conta, entre outros aspetos, a “contração da atividade económica e do emprego”, embora não seja possível distinguir o impacto do desemprego e das medidas implementadas na sequência de pandemia que atingiu o país (e o mundo).

No primeiro semestre, a Segurança Social mantinha um excedente de 352 milhões de euros, valor que, segundo o órgão já citado, teria correspondido a 1145 milhões caso a pandemia não tivesse acontecido.