Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O FC Porto não falhava a final four da Taça da Liga desde 2016/17, ainda com Nuno Espírito Santo enquanto treinador. Ou seja, o FC Porto não falhava a final four da Taça da Liga desde que Sérgio Conceição chegou ao clube. À 15.ª participação na terceira competição nacional, os dragões voltaram a falhar a conquista do troféu, sofreram a segunda derrota da temporada e a primeira a nível interno e concederam três golos num jogo da prova seis anos depois da última vez.

Seja azar, calcanhar de Aquiles ou o destino, esta Taça não é para Sérgio (a crónica do Santa Clara-FC Porto)

Além disso, o FC Porto voltou a perder com o Santa Clara quase 20 anos depois: os dragões não caíam perante os açorianos desde dezembro de 2001, há praticamente duas décadas, naquela que foi mesmo a única vitória da equipa insular nos confrontos entre os dois lados. Na flash interview, porém, Sérgio Conceição não deixou de reconhecer que o conjunto de Nuno Campos, esta terça-feira, foi superior.

“Uma equipa que perde 1-3… Há sempre mérito de quem ganha e demérito de quem não faz mais para ganhar. Entrámos bem, a controlar, uma falta sobre o Marko [Grujic] e vão à baliza marcar na zona onde ele estaria. Saiu, a bola entrou na zona dele. Sofremos o golo. Tínhamos criado uma ou outra ocasião. Fomos ineficazes nas situações para fazer mais do que um golo seguramente, para não perder o jogo. Mas temos de dar mérito ao adversário. Os jogadores do Santa Clara, quando se viram a ganhar, tiveram boa agressividade no jogo. Sempre focados nas tarefas. Nós não estivemos tão bem nesse capítulo e o responsável sou eu. Assumo. Tivemos ocasiões para dar a volta ao resultado e ao jogo mas penso que a concentração competitiva, o foco, a forma de estar sempre alerta e não cometer erros individuais é fundamental. Parabéns ao Santa Clara, que foi melhor do que nós em alguns capítulos fundamentais”, atirou o treinador dos dragões.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Conceição comentou ainda o facto de, ao intervalo, ter lançado Luis Díaz, Otávio e Sérgio Oliveira, três habituais titulares no FC Porto. “São pesos pesados. Mudei praticamente dez jogadores. Disse na antevisão que o grupo dá essa garantia, obviamente percebendo que as rotinas e os automatismos destes jogadores que entraram não estão tão bem oleados como os que jogam mais. Isso é óbvio. Têm qualidade para dar mais do que demos”, atirou, terminando com a repetição de que o Santa Clara “fez um bom jogo em alguns ingredientes essenciais para ganhar jogos”.

Também depois do apito final, Taremi — que reduziu a desvantagem do FC Porto já perto do fim — defendeu que a equipa teve pouca sorte. “Não era o que queríamos. Tivemos muitas chances para marcar e não aproveitámos. Fomos infelizes. O jogo correu mal mas temos de continuar e olhar em frente. Quero agradecer aos adeptos que apareceram e dizer que só podemos olhar para o futuro”, disse o avançado iraniano, que voltou a marcar depois do hat-trick apontando ao Tondela.