Momentos-chave
Histórico de atualizações
  • Madeira vai recomendar uso de máscara no exterior

    O presidente do Governo da Madeira considerou hoje “incompreensível” a eventual alteração da legislação nacional sobre obrigatoriedade do uso da máscara para prevenir a Covid-19, anunciando uma recomendação regional para que a medida se mantenha no arquipélago.

    O chefe do executivo regional de coligação PSD/CDS salientou que depois de serem “auscultadas” as autoridades de saúde da Madeira, o executivo madeirense decidiu “adotar uma recomendação regional de manutenção do uso da máscara no exterior em qualquer circunstância no sentido de preservar e prevenir a propagação do Covid-19”.

    O governante madeirense argumentou que esta decisão acontece porque a lei sobre esta matéria “vai ser alterada na Assembleia da República” e a região não tem competência para legislar em matéria de Direitos, Liberdades e Garantias.

  • Guiné-Bissau regista duas mortes e 15 novos casos de infeção

    A Guiné-Bissau registou nas últimas 24 horas mais duas mortes pela Covid-19 e 15 novos casos de infeção detetadas em 78 amostras analisadas, o que representa uma taxa de positividade de 19%.

    A informação consta do boletim de acompanhamento da evolução epidemiológico hoje divulgado pelo Alto Comissariado contra a Covid-19.

    Os novos infetados são nove indivíduos do sexo feminino e seis do sexo masculino.

    A Guiné-Bissau soma 124 mortes pela Covid-19 e um total acumulado de 5958 casos de infeção desde que a pandemia foi declarada oficialmente no país em março de 2020.

    Atualmente o país tem 813 casos ativos, 44 pessoas internadas e 33 dadas como recuperadas, informa o Alto Comissariado contra a Covid-19.

  • Governo divulga orientações para ano letivo presencial no ensino superior

    “O risco de contágio por Covid-19 encontra-se mitigado face ao ano anterior, com uma elevada fração da população já vacinada, incluindo os jovens adultos”, e as medidas serão diferentes segundo a DGS.

    Uso de máscara obrigatório em estabelecimentos de ensino superior e instituições científicas

  • Portugal envia mais 76 mil vacinas para a Guiné-Bissau

    Portugal envia esta sexta-feira para a Guiné-Bissau um novo lote de 76 mil vacinas contra a Covid-19 acompanhadas de material de administração do medicamento da Astrazeneca, informa, em comunicado, a Secretaria de Estado dos Negócios Estrangeiros e Cooperação portuguesa.

    As vacinas vão ser entregues às autoridades guineenses pela embaixada de Portugal em Bissau e são acompanhadas de seringas e agulhas, refere ainda a nota distribuída às redações.

    Com esta segunda remessa de vacinas que Portugal já ofereceu à Guiné-Bissau 100 mil doses de vacinas. Em julho passado Portugal entregou 24 mil vacinas.

  • Angola com 279 casos e quatro mortes em 24 horas

    Angola registou 279 novos casos de Covid-19 em 24 horas, assim como quatro mortes e 186 recuperações da doença, anunciaram hoje as autoridades de saúde do país.

    Dos novos casos, 197 foram registados na província de Luanda, 39 no Huambo, 21 na Huíla, nove no Namibe, cinco em Cabinda, quatro no Uíge, três em Malanje e um no Cunene, com idades entre 01 e 80 anos, sendo 151 do sexo masculino e 128 do sexo feminino, refere um documento assinado pelo secretário de Estado para a Saúde Pública, Franco Mufinda.

    De acordo com as autoridades de saúde angolanas foram registadas quatro mortes, uma em cada uma das províncias de Cuanza Sul, Malanje, Luanda e Uíge, sendo duas do sexo masculino e duas do sexo feminino. As vítimas mortais tinham idades entre 01 e 73 anos.

  • Angola vai adquirir dez milhões de doses de Sinopharm por 74 ME

    O Presidente angolano, João Lourenço determinou a aquisição de 10 milhões de doses da vacina chinesa, Sinopharm, bem como serviços logísticos e equipamentos, num valor estimado de 88 milhões de dólares (74 milhões de euros).

    Segundo o despacho presidencial, a que a Lusa teve acesso, a aquisição será feita mediante um procedimento de contratação simplificada, sendo delegada à ministra da Saúde a competência para verificar todos os atos até à celebração do contrato.

    A ministra das Finanças será responsável por disponibilizar os recursos financeiros necessários à execução dos contratos inerentes à aquisição de vacinas.

  • São Tomé e Príncipe regista mais uma morte e 29 novas infeções

    São Tomé e Príncipe registou mais uma morte e 29 novas infeções por Covid-19 nas últimas 24 horas, elevando o total acumulado para 2738, desde o início da pandemia.

    “Nas últimas 24 horas houve o falecimento de uma senhora de 75 anos, no distrito de Mé-zóchi”, na ilha de São Tomé, anunciou hoje a porta-voz do Ministério da Saúde de São Tomé e Príncipe, Isabel Santos.

    É a segunda morte por Covid-19 registada no arquipélago esta semana

    De acordo com o boletim diário divulgado hoje pelas autoridades locais, nas últimas 24 horas, houve o registo de 29 casos — 27, na ilha de São Tomé, e dois, na ilha do Príncipe – e dez recuperações na Ilha de São Tomé.

  • Estudo: vitamina D3 e medicamentos para alergia e cancro reduzem replicação do vírus SARS-CoV-2

    Apesar dos resultados positivos do estudo, autores lembram que “não são alternativas aos tratamentos existentes ou aos programas de vacinação”. Potencial tratamento tem de passar por ensaios clínicos.

    Estudo: vitamina D3 e medicamentos para alergia e cancro reduzem replicação do vírus SARS-CoV-2

  • Cuba é o primeiro país a vacinar crianças com a partir dos dois anos

    O presidente cubano anunciou que Cuba é o primeiro país a começar o processo de vacinação massiva em crianças a cima dos dois anos. A medida motivada pelo aumento de casos em crianças e adolescentes.

    Cuba é o primeiro país a vacinar crianças com a partir dos dois anos

  • Cabo Verde com mais 125 infetados e uma morte em 24 horas

    Cabo Verde registou 125 infetados com o coronavírus responsável pela pandemia de Covid-19 nas últimas 24 horas, e uma morte, elevando para 36.327 o acumulado de casos desde março de 2020, divulgou hoje o Ministério da Saúde.

    De acordo com o boletim epidemiológico do Ministério da Saúde, os laboratórios de virologia do arquipélago processaram 1.446 amostras desde quarta-feira, com uma taxa de positividade global de 8,6%.

    No concelho da Praia, capital e principal foco da pandemia de Covid-19 no país, foram registados mais 39 infetados com o coronavírus nas últimas 24 horas (em 296 amostras, taxa de positividade de 13,2%), contando agora com 418 casos ativos.

    Nas últimas 24 horas foram dadas como recuperadas da doença em Cabo Verde 147 pessoas e subiu para 318 o acumulado de óbitos por complicações associadas à Covid-19, além de 15 por causas externas, desde o início da pandemia.

  • Terceira dose da vacina torna "ainda mais difícil" a África atingir objetivos de imunização

    Se os países desenvolvidos avançarem massivamente com a terceira dose da vacina contra a Covid, será “ainda mais difícil” a África atingir os objetivos de imunização, sublinhou esta quinta-feira o líder do organismo de saúde pública da União Africana.

    “Se os países [desenvolvidos] começarem a avançar com a terceira dose, isso tornará ainda mais difícil atingir o objetivo da taxa de imunização de 60 a 70%” da população do continente africano, afirmou John Nkengasong, diretor do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC) na conferência semanal online do organismo a partir de Adis Abeba.

    Os países africanos reconheceram que “têm que depender de si mesmos” para a aquisição das vacinas que precisam, incluindo a capacidade própria de as produzir, sublinhou Nkengasong.

    O continente estabeleceu inicialmente como objetivo imunizar entre 60 e 70% da população, pelo que estimava administrar 1,6 mil milhões de doses de vacina.

    “Se os países começarem a avançar com a terceira dose, isso tornará ainda mais difícil atingir o objetivo da taxa de imunização de 60%”, afirmou então o diretor do Africa CDC.

  • Madeira regista 32 novos casos, 22 recuperações e 174 infeções ativas

    A Madeira sinalizou hoje 32 novos casos de Covid-19 e 22 recuperações, indicou a Direção Regional de Saúde, referindo que o total de infeções ativas no arquipélago é agora de 174, com seis doentes hospitalizados.

    Entre os novos positivos, 27 são de transmissão local e cinco foram importados (dois do Reino Unido, dois de Lisboa e Vale do Tejo e um da região Sul), sendo que a Madeira passa a contabilizar 11.461 casos confirmados de infeção por SARS-CoV-2, desde o início da pandemia, já com 11.212 recuperados e 75 óbitos associados à doença.

    Os dados da autoridade regional diferem dos apresentados hoje pela Direção-Geral da Saúde (DGS), que atribui à região autónoma 23 novos casos, num total de 11.922 confirmados desde março de 2020 e 72 mortos.

  • Madeira mantém testes PCR nos aeroportos e exige antigénio nos portos

    O Governo da Madeira anunciou hoje que mantém a obrigatoriedade de testes PCR nos aeroportos e vai exigir a apresentação de testes antigénio nos portos, tendo em conta a retoma dos navios de cruzeiro já a partir desde mês.

    As medidas foram decididas em reunião do Conselho do Governo Regional (PSD/CDS-PP), liderado pelo social-democrata Miguel Albuquerque, e produzem efeitos a partir das 00h00 de sábado.

    Para os viajantes que desembarquem nos aeroportos mantém-se a obrigatoriedade de apresentar comprovativo de teste PCR de despiste da infeção por SARS-CoV-2 com resultado negativo, realizado no período máximo de 72 horas anteriores ao embarque.

    Já nos portos, os viajantes podem apresentar apenas comprovativo da realização de teste rápido com resultado negativo, realizado até 48 horas antes do desembarque, exceto se estiverem na posse de PCR efetuado nas 72 horas anteriores.

  • Espanha diminui risco de contágio de “alto” para “médio”

    A Espanha passou hoje de “risco alto” para “risco médio” de transmissão de Covid-19, tendo reduzido para menos de 150 os casos de incidência acumulada diagnosticados nos últimos 14 dias por cada 100.000 habitantes.

    De acordo com os números divulgados hoje pelas autoridades sanitárias espanholas, a incidência acumulada (contágios) continua a baixar, tendo diminuído de 150 (quarta-feira) para 140 casos (hoje) diagnosticados nos últimos 14 dias por cada 100.000 habitantes.

    Por outro lado, foram registados 4.763 novos casos de infeções de Covid-19 nas últimas 24 horas, tendo o Ministério da Saúde espanhol também notificado mais 71 mortes atribuídas à doença desde quarta-feira.

  • DGS está a rever orientação sobre máscaras que passam a ser facultativas

    A Direção-Geral da Saúde (DGS) esclareceu hoje que o uso de máscaras no exterior passa a ser facultativo, com exceções de situações que reúnam aglomerados de pessoas em que passa a ser recomendada.

    “A Orientação relativa à utilização de máscaras, que está a ser revista, irá no sentido de deixar de recomendar a utilização universal de máscaras no exterior, que poderá ser utilizada de forma facultativa”, refere a DGS numa resposta enviada à agência Lusa.

    No entanto, salienta, “serão consideradas situações especiais, nomeadamente aglomerados previsíveis ou potenciais de pessoas, contextos específicos e situações clínicas particulares. Nestes casos, a máscara irá ser recomendada”.

  • Decisões de países sobre terceira dose de vacina "bem compreendidas" por regulador da UE

    A Agência Europeia de Medicamentos disse hoje que decisões dos países da União Europeia (UE) de avançarem para doses de reforço das vacinas contra a Covid-19, nomeadamente a grupos vulneráveis como defendido em Portugal, são “bem compreendidas” pelo regulador.

    “Os Estados-membros da UE podem, através do seu grupo consultivo nacional de imunização, decidir avançar com planos para administrar doses adicionais ou de reforço como uma medida proativa para proteger a saúde pública antes que uma decisão reguladora seja tomada e essas decisões são muito bem compreendidos pela agência na atual situação de emergência que atravessamos”, afirmou o responsável pela estratégia de vacinação da Agência Europeia de Medicamentos (EMA), Marco Cavaleri.

    Falando em conferência de imprensa na sede do regulador da UE, em Amesterdão, o responsável assinalou que a variante Delta do coronavírus SARS-CoV-2, predominante no espaço comunitário, gerou “inesperados aumentos de infeções em várias partes do mundo”.

  • Moçambique prorroga até sábado administração da segunda dose de vacina

    O Ministério da Saúde de Moçambique prorrogou até sábado o prazo de administração da segunda dose da vacina contra a Covid-19, que decorre no âmbito da campanha de vacinação massiva no país, anunciou hoje o organismo.

    “O Ministério da Saúde comunica que prorrogou até ao dia 11 de setembro, sábado, em todo o país, a administração da segunda dose da vacina [chinesa] VeroCell contra a Covid-19, cujo término estava previsto para quarta-feira”, referiu o ministério, numa nota enviada à comunicação social.

    A campanha de vacinação em massa contra a Covid-19 foi lançada em 06 de agosto pelo Presidente moçambicano, Filipe Nyusi.

  • África vai receber menos um quarto das vacinas que contava ter este ano

    África vai receber menos um quarto das vacinas contra a Covid-19 que contava ter até ao final do ano, o que compromete as metas de vacinação estabelecidas para o continente, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

    A diretora da OMS para África, Matshidiso Moeti, partilhou esta estimativa com os jornalistas, após o anúncio do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC) de que pouco mais de 3% das pessoas em todo o continente africano foram totalmente vacinadas, uma cobertura que cai para 1,7% na África subsaariana, segundo a OMS.

    As autoridades de saúde africanas mostraram-se consternadas com o anúncio feito na quarta-feira de que o esforço global da COVAX para distribuir vacinas a países de baixo e médio rendimento está novamente a cortar a sua previsão de entrega.

    A OMS considera que o objetivo de vacinar 10% das pessoas em África, até ao final deste mês, está a ser falhado. O objetivo é vacinar 40% até ao final do ano.

    O CDC de África diz que 145 milhões de doses de vacinas foram adquiridas em todo o continente de 1,3 mil milhões de pessoas, e 111 milhões delas (77%) foram administradas.

  • Moçambique regista mais três mortes e 175 casos em 24 horas

    Moçambique registou três óbitos devido ao novo coronavírus e 175 casos de infeção, nas últimas 24 horas, anunciou hoje o Ministério da Saúde em comunicado de atualização de dados sobre a pandemia.

    As mortes ocorreram entre quarta-feira e hoje e as vítimas são de nacionalidade moçambicana, com 40, 64 e 67 anos.

    Com os dados anunciados hoje, o número de mortes devido a pandemia em Moçambique sobe para 1.891 e o de casos para 148.727, dos quais 94% recuperados da doença, referiu o ministério no documento.

    Moçambique conta atualmente com 6.191 casos ativos do novo coronavírus e, destes, 86 estão internados (40% na cidade de Maputo).

1 de 3