Histórico de atualizações
  • Bom dia,

    Encerramos aqui este liveblog, mas pode continuar a acompanhar os últimos desenvolvimentos e notícias sobre a pandemia de Covid-19 neste novo link.

    Reino Unido dá mais de duas milhões de doses de reforço numa semana

  • Marrocos testa passageiros que entrem no país

    Marrocos vai realizar testes à Covid-19 aos passageiros que cheguem aos seus aeroportos e portos e vai impedir que entrem no país visitantes que testem positivo, avançou o Governo marroquino, citado pela Reuters.

    De acordo com o Comité Interministerial de Acompanhamento da Covid, num comunicado citado pela agência EFE, os passageiros de 84 países são obrigados a apresentar certificado de vacinação e teste PCR negativo, e à chegada a Marrocos serão submetidos a um duplo controlo com câmaras térmicas e termómetros eletrónicos, além de fazerem testes de antigénio.

    Os viajantes que testarem positivo têm de regressar ao seu país à custa das transportadoras aéreas, a menos que tenham residência em Marrocos.

    Os visitantes têm, ainda, de apresentar o certificado de vacinação. O Governo marroquino reforçou as restrições impostas aos viajantes provenientes de 84 países, entre os quais Portugal, devido ao aumento de casos de covid-19 na Europa.

  • Alemanha mobiliza até 12.000 soldados para apoio logístico face a quarta vaga

    A Alemanha vai mobilizar até 12.000 soldados em clínicas e outras áreas sensíveis para prestar apoio logístico face à quarta vaga de covid-19 que atinge o país, noticia a comunicação social local.

    Um primeiro contingente de 6.000 soldados entrará em ação este mês, devendo a operação ser expandida até 12.000 militares até ao Natal, segundo o semanário alemão Der Spiegel, citado pela agência noticiosa Efe.

    Estes militares estarão encarregados do apoio logístico na campanha de reforço da vacinação contra a covid-19, assim como nos postos para a realização de testes rápidos, hospitais e lares de idosos.

    Nas vagas anteriores, foram mobilizados cerca de 10.000 militares.

    As autoridades de saúde da Alemanha registaram hoje, pelo sexto dia consecutivo, um pico absoluto da incidência acumulada, com uma média a sete dias de 277,4 casos por 100.000 habitantes.

    O número de mortes também aumentou, havendo hoje registo de 228 mortes, face às 142 de há uma semana.

    Os estados orientais de Turíngia e Saxónia são os mais afetados, com uma incidência acumulada de 514,4 e 620,7 casos, respetivamente.

    A Baviera totaliza 478,7 infeções por 100.000 habitantes ao longo da última semana, com as autoridades bávaras a considerarem a aplicação de restrições mais severas para cidadãos não vacinados, à semelhança de outros países europeus.

    A vacinação obrigatória não está a ser considerada nem pelo Governo cessante, de Angela Merkel, nem pela provável coligação que lhe sucederá, liderada pelo social-democrata Olaf Scholz, que conta com os verdes e com os liberais como aliados.

    Para a próxima quinta-feira está prevista uma reunião entre o Governo central e as autoridades regionais com o objetivo de analisar as possíveis medidas para travar o avanço da quarta vaga de contágios.

    Apesar dos sucessivos apelos à vacinação por parte de políticos e especialistas, a taxa de cidadãos imunizados parece ter estagnado.

    Cerca de 67,5% dos habitantes do país estão totalmente vacinados, enquanto 70% receberam pelo menos uma dose.

  • Cerca de 200 crianças a partir dos cinco anos vão ser vacinadas em Viena

    Duas centenas de crianças, com idades entre os cinco e os 11 anos, em Viena de Áustria, vão começar a receber vacinas contra a covid-19 na próxima semana, como parte de um projeto-piloto, noticiaram este sábado os meios de comunicação social austríacos.

    A emissora austríaca ORF noticiou que cerca de 200 crianças, entre os cinco e os 11 anos de idade, podem receber doses da vacina Pfizer/BioNTech na capital austríaca, a partir de segunda-feira. O projeto-piloto é limitado apenas a Viena e não se aplica ao resto do país.

    Enquanto nos Estados Unidos ou Israel as crianças desta faixa etária já podem ser oficialmente vacinadas contra a covid-19, a Agência Europeia de Medicamentos, que regula a aprovação na União Europeia (UE), ainda não deu autorização para a vacinação de crianças com menos de 12 anos de idade.

    O regulador de medicamentos da UE disse, no início desta semana, ter começado a avaliar se deveria autorizar a vacina da Moderna para crianças dos cinco aos 11 anos e que desde o mês passado tem vindo a avaliar a vacina feita pela Pfizer-BioNTech para a utilização no mesmo grupo etário.

    Covid-19: cerca de 200 crianças a partir dos cinco anos vão ser vacinadas em Viena

  • Boletim DGS. Mortes concentram-se no Norte (2), no Centro (3) e em Lisboa e Vale do Tejo

    Entre as 8 vítimas mortais, dois eram homens e seis eram mulheres, e todas tinham acima dos 80 anos de idade — exceto uma das mulheres que estava na faixa etária entre os 60 e os 69 anos.

    Em termo geográficos, Norte (2), Centro (3) e Lisboa e Vale do Tejo (3) são as regiões onde se concentraram as mortes.

  • Boletim DGS. Há 424 pessoas internadas, 69 em cuidados intensivos

    Há 424 pessoas internadas devido à Covid-19 em Portugal, mais 13 em relação à véspera, segundo o boletim deste sábado. Destes doentes, 69 estão em Unidades de Cuidados Intensivos (UCI), o que representa mais quatro camas ocupadas do que na véspera.

    O número de internamentos é o mais alto desde 22 de setembro, dia em que estavam hospitalizadas 426 pessoas.

    Na sexta-feira, havia 411 pacientes internados, 65 deles em cuidados intensivos.

  • Boletim DGS. Incidência e R(t) mantém-se inalterados

    A incidência (o número de novos casos nos últimos 14 dias por 100.000 habitantes) e o indicador de transmissão ficaram inalterados em relação à véspera.

    Assim, a incidência continua a ser de 134,2 casos por 100 mil habitantes a nível nacional e de 133,3 casos no continente. Também o índice de transmissibilidade — o R(t) — ficou nos 1,15 a nível nacional e no continente, tal como se encontrava na sexta-feira.

    Portugal continua no vermelho na matriz de risco da pandemia, onde se encontra desde quarta-feira passada.

  • Boletim DGS. 8 mortes e 1.816 novos casos nas últimas 24 horas

    Nas últimas 24 horas, registaram-se 8 mortes e 1.816 novos casos de infeção pelo vírus da Covid-19 em Portugal. Desde 3 de setembro que não havia tantas novas infeções no espaço de 24 horas. Nessa altura, registaram-se 1.822 novos casos.

    Os números são avançados no boletim epidemiológico da Direção-Geral de Saúde (DGS) desta sexta-feira. Na véspera, o país registou 3 óbitos e 1.751 novos diagnósticos positivos.

  • Madeira deteta surtos nas escolas e aguarda autorização para vacinar crianças

    Miguel Albuquerque assegurou que “os efeitos da pandemia, em termos de saúde pública, neste momento, na Madeira são mínimos”. Assim que puder, a região começará a vacinar crianças.

    Leia mais aqui.

    Madeira deteta surtos nas escolas e aguarda autorização para vacinar crianças

  • Açores com 38 novos casos

    Nas últimas 28 horas, a região autónoma dos Açores registou 28 novas infeções de SARS-CoV-2: 19 em São Miguel, cinco em São Jorge, dois no Pico, um na Terceira e um no Faial.

    Há quatro doentes hospitalizados, todos no Hospital do Divino Espírito Santo, em Ponta Delgada. Os Açores somam assim 206 casos ativos.

  • Sales: “Todos os cenários são todos os cenários”

    António Sales, secretário de Estado da Saúde, disse este sábado, à margem da visita ao centro de vacinação de Odivelas que, em Portugal, todos os cenários estão em cima da mesa face à evolução epidemiológica do país. Instado a detalhar os cenários, depois de, na véspera, a ministra Marta Temido não ter afastado a hipótese de um novo confinamento, Sales foi claro: “Todos os cenários são todos os cenários.”

    O secretário de Estado lembrou que há países a recuar e a recuperar medidas de contenção da pandemia e disse que Portugal “não é uma ilha, tem conexão com outros países”.

    Acima de tudo, frisou que neste momento é preciso passar uma mensagem de cautela e apelou a que todos os que são elegíveis para a toma da dose de reforço da vacina contra a Covid-19 vão fazê-lo.

    Graça Freitas, diretora geral de Saúde, deixou o mesmo apelo. “E também que façam a vacina da Gripe. O nosso apelo é vacinar, vacinar, vacinar. Temos vacinas, temos organização, temos logística, temos médicos, temos enfermeiros, vamos a tempo de nos vacinar e um reforço para a Covid-19 e para a vacina da gripe são mesmo necessários, volto a dizer, necessários, para que cheguemos ao Natal e a todo o inverno com mais segurança.”

  • Merkel pede aos não vacinados que reconsiderem e avisa que vêm aí tempos difíceis

    “Semanas difíceis estão à nossa frente, e podem ver que estou muito preocupada.” As palavras são de Angela Merkel, a chanceler alemã, proferidas no seu podcast semanal.

    Numa altura em que a Alemanha regista, há 6 dias consecutivos, novos máximos de incidência acumulada, Merkel pediu aos não vacinados que reconsiderassem a sua decisão. “Peço urgentemente a todos os que ainda não foram vacinados: por favor, reconsiderem.”

    Na próxima semana, governo e líderes dos 16 estados federados deverão discutir novas restrições à pandemia.

  • É a terceira vez esta semana que a Rússia atinge um novo máximo de mortes

    Novo máximo na Rússia. Nas últimas 24 horas, o país registou 1.239 mortes e 39.256 novos contágio. O maior número de óbitos foi em Moscovo (97).

    É a terceira vez esta semana que a Rússia atinge um novo máximo de mortes, numa altura em que a pandemia está em aceleração.

  • Há 6 dias que Alemanha regista novos máximos de incidência acumulada

    Pelo sexto dia consecutivo, a Alemanha registou o nível máximo de incidência acumulada, com 277,4 novas infeções em sete dias por 100 mil habitantes. Os dados são do Instituto Robert Koch (RKI).

    Na sexta-feira, o nível de incidência acumulada estava nos 263,7 casos por 100 mil habitantes, enquanto há uma semana se situava nos 183,7 casos.

    Em 24 horas, houve 45.081 novos casos e 228 óbitos.

  • Se vacinação da terceira dose não ganhar ritmo, as consequências serão terríveis

    É a manchete do Observador este sábado de manhã. Se a vacinação da dose de reforço não regressar ao ritmo dos tempos da task force, o Natal trará “consequências terríveis” para o SNS.

    O aviso é feito por Raquel Duarte, que tem sido responsável por aconselhar o Governo sobre as medidas necessárias para manter a epidemia controlada.

    Leia mais aqui.

    Se vacinação com 3ª dose não alcançar o ritmo dos tempos da task force, o Natal trará “consequências terríveis” para o SNS

  • Pandemia está a acelerar em Portugal

    Esta sexta-feira, foi conhecido mais um relatório semanal de monitorização das linhas vermelhas da pandemia. O que o documento revela é que a pandemia está com uma tendência crescente em Portugal e que a incidência cresce em todas as faixas etárias e o R(t) sobe em todas as regiões.

    Leia mais aqui.

    Pandemia com “tendência crescente”. Incidência pode atingir limiar dos 240 casos por 100 mil habitantes daqui a 15 dias

  • Siga aqui todas as notícias sobre a pandemia

    Bom dia,

    Arranca agora o nosso liveblog sobre a evolução da pandemia. Aqui poderá, ao longo deste sábado, acompanhar os últimos desenvolvimentos e notícias sobre o assunto. As notícias que marcaram a sexta-feira continuam disponíveis neste link.

    Investigadores do Porto desenvolvem vacina comestível contra a Covid-19

1 de 1