Rádio Observador

Tecnologia

O sentido da transformação digital: do ponto à forma

Autor
  • Manuel Tânger

Enfrentemos corajosa e estrategicamente o digital, incluindo-o nos processos de decisão o quanto antes. Vemos muitas vezes empresas aprenderem mais com o processo do que com o plano, por isso faça-se!

“Alguns dizem que vêm poesia nas minhas pinturas, eu só vejo ciência”
Georges Seurat

O ano de 1886 trouxe-nos algumas inovações notáveis tais como a Coca-cola, o primeiro automóvel industrialmente produzido a combustão interna (da Benz) e o Pontilhismo, técnica de pintura inserida no movimento de impressionista que usa apenas pontos de cor para representar formas e padrões. Ao contrário das técnicas anteriores, que misturavam cores para depois as aplicar diretamente em tela, o pontilhismo usava o cérebro humano para interpretar novas cores e formas a partir apenas de pontos numa tela coloridos com cores (quase) primárias.

Devemos este novo estilo ao experimentalismo e coragem de Georges Seurat e Paul Signac. A referência talvez mais conhecida é Un dimanche après-midi à l’Île de la Grande Jatte de Seurat, na qual nos podemos juntar a parisienses numa tarde quente de domingo à beira do rio Sena onde “uns vagueiam outros estão sentados ou esticados preguiçosamente na relva azulada”.

O Pontilhismo é uma analogia muito feliz ao processo atual de digitalização. Com os primeiros pontos de tinta na tela, é quase impossível um observador apreender alguma forma. Imaginando Seurat a picotar a tela, a definição de alguma forma aparece apenas quando há pontos suficientes para que a nossa cognição seja capaz de identificar uma feição. Curiosamente, é muitas vezes com a adição de apenas mais um ponto na tela que acontece esta passagem da indefinição para a definição. Esta passagem é precisamente aquilo que acontece quando transformamos meros dados em informação, na escala crescente de conhecimento que caracteriza a atual transformação digital.

Uma vez concluída a primeira figura, Seurat provavelmente debruçou-se sobre as seguintes e espéculo que poderíamos ver uma tela sobretudo branca, mas já com uma dezena de pessoas representadas. Neste momento o observador começa a entender a relação entre elas. Alguns claramente estão juntos, como o casal de pé do lado direito ou as crianças a brincar mais atrás. Outros, isolados e não relacionados. No mundo do digital, esta compreensão do relativo é a passagem da informação ao conhecimento.

Por fim, resta uma parte muito importante e que banha todas as personagens do quadro, o cenário e resto do fundo. É aqui que aprendemos o contexto onde se inserem as personagens e percebemos que se trata dum jardim, que está sol e calor e que estamos à beira rio. É com este contexto que agregamos finalmente todo o sentido do quadro de Seurat. E é esta a passagem que ocorre com o conhecimento digital anterior e o transforma em compreensão.

Dados > Informação > Conhecimento > Compreensão

“O processo de transformação digital já arrancou de forma massiva mas em momentos diferentes, conforme o setor/indústria”
— “Estudo da Maturidade Digital das empresas portuguesas” desenvolvido pela EY com a Nova SBE

O digital e as novas tecnologias digitais seguem precisamente esta evolução na escala do conhecimento que começa com dados soltos, os agrega para criar informação, a relaciona para criar conhecimento e, finalmente, a contextualiza para criar compreensão. Com a compreensão vêm os modelos que, acreditamos, regem o mundo onde vivemos, o jogo que jogamos ou o mercado no qual competimos.

Se é verdade que este mapeamento é bem conhecido e as técnicas digitais são acessíveis, o facto é que as empresas em Portugal, em geral, estão baixas em literacia e implementação digital nos seus negócios. No recente “Estudo da Maturidade Digital das empresas portuguesas” desenvolvido pela EY com a Nova SBE vemos claramente que a transformação digital já arrancou de forma massiva, mas que ainda está em curso e nos primeiros passos, ainda longe de tirar tanto proveito do digital como seria expectável.

De notar que os resultados do estudo demonstram alguma discrepância com aquilo que é a nossa experiência Global na Beta-i e na Singularity University (em joint-venture com a Nova SBE e a Câmara Municipal de Cascais) onde reparamos que as empresas portuguesas estão atrasadas com cerca de 3-4 anos na experimentação e adoção do digital de ponta. O estudo aponta essa mesma discrepância, mas faz notar que a maioria das empresas reporta já ter começado a sua transformação digital, 41% delas há mais de 5 anos e 24% há pelo menos dois anos.

Neste processo de transformação digital, torna-se vivamente claro que o desafio principal é a transformação e não tanto o digital, leia-se a tecnologia. Isto porque a tecnologia consolidada e já disponível comercialmente ainda está longe de estar implementada. Esta é a tecnologia que já é conhecida, já tem provas dadas e benefícios comprovados. A transformação é difícil porque entra de menos na agenda estratégica das empresas e por isso não a elevam do nível tático ao estratégico. Sem prejuízo das restantes complexidades inerentes à transformação digital, este, o de a tornar estratégica e compreender o seu impacto transformacional, é o passo mais importante a ser tomado pelas empresas em Portugal.

Assim, todos concordamos que a viagem digital é inevitável, que representa custos financeiras mas sobretudo custos culturais e de transformação. Enfrentemos corajosa e estrategicamente o digital, incluindo-o nos processos de decisão o quanto antes. Vemos muitas vezes empresas aprenderem mais com o processo do que com o plano, por isso faça-se!

“Un dimanche après-midi à l’Île de la Grande Jatte” de Georges-Pierre Seurat, Art Institute of Chicago

Faculty da SingularityU Portugal

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)