Logo Observador
Tecnologia

Mozilla recua. Firefox volta a suportar Flash

Graças à última atualização da Adobe ao Flash Player, a Mozilla voltou atrás na decisão e vai manter o suporte à tecnologia.

AFP/Getty Images

Mais sobre

A Adobe já pode respirar de alívio. A Mozilla decidiu recuar na decisão de bloquear o Flash Player, graças à última atualização de segurança lançada para a tecnologia. O anúncio foi feito pela empresa na conta oficial do Firefox no Twitter.

Na mensagem, a Mozilla indica que a nova versão do Flash “resolveu os recentes riscos de segurança” e que a tecnologia “está novamente ativada por defeito no Firefox”. Esta atualização da Adobe foi lançada a 14 de julho e, segundo a empresa, corrige “duas vulnerabilidades” que poderiam permitir “a um atacante tomar controlo de um sistema afetado”.

Esta terça-feira, Mark Schmidt, chefe do serviço de Suporte da Mozilla, anunciou no Twitter que as novas versões do Flash Player da Adobe viriam bloqueadas no browser Firefox, embora o utilizador pudesse reativar esta função manualmente. Na altura, confrontado pelo Digiday com a existência da nova atualização do Flash Player, Schmidt explicou que a medida foi tomada “antes de a Adobe disponibilizar a atualização”. Talvez por isso a Mozilla tenha reconsiderado e anulado a decisão.

O Flash da Adobe tem sido criticado nos últimos anos devido às vulnerabilidades existentes no seu código fonte, embora a empresa tenha trabalhado no sentido de corrigir essas falhas. Em abril de 2010, a empresa de segurança Symantec responsabilizou o Adobe Flash por 7% das vulnerabilidades conhecidas em plugins Web, no 2009 Security Threat Report. Nesse mês, também Steve Jobs publicou um artigo em que explicava os motivos pelos quais a Apple iria abandonar o suporte a esta tecnologia.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Terrorismo

Basta!

Gonçalo Dorotea Cevada

Que suposta superioridade moral é essa que não nos permite admitir que o problema não está na suposta falta de integração social, mas na propaganda feita por certas mesquitas localizadas na Europa?

Economia

Viva o turismo

João Marques de Almeida

Os “novos aristocratas” acham que têm privilégios especiais. Passam a vida inteira a viajar, mas nunca são turistas. As massas da classe média viajam pouco, mas se o fazem são logo turistas detestados

Terrorismo

Do lado de dentro da janela

Helena Matos

Tudo resultou em mais gritos Alá é grande”, mais carrinhas descontroladas afinal conduzidas por mão firme, mais lobos solitários que tinham quem os apoiasse. Mas "Nós não temos medo". Claro que temos