Logo Observador
Tecnologia

Mozilla recua. Firefox volta a suportar Flash

Graças à última atualização da Adobe ao Flash Player, a Mozilla voltou atrás na decisão e vai manter o suporte à tecnologia.

AFP/Getty Images

Mais sobre

A Adobe já pode respirar de alívio. A Mozilla decidiu recuar na decisão de bloquear o Flash Player, graças à última atualização de segurança lançada para a tecnologia. O anúncio foi feito pela empresa na conta oficial do Firefox no Twitter.

Na mensagem, a Mozilla indica que a nova versão do Flash “resolveu os recentes riscos de segurança” e que a tecnologia “está novamente ativada por defeito no Firefox”. Esta atualização da Adobe foi lançada a 14 de julho e, segundo a empresa, corrige “duas vulnerabilidades” que poderiam permitir “a um atacante tomar controlo de um sistema afetado”.

Esta terça-feira, Mark Schmidt, chefe do serviço de Suporte da Mozilla, anunciou no Twitter que as novas versões do Flash Player da Adobe viriam bloqueadas no browser Firefox, embora o utilizador pudesse reativar esta função manualmente. Na altura, confrontado pelo Digiday com a existência da nova atualização do Flash Player, Schmidt explicou que a medida foi tomada “antes de a Adobe disponibilizar a atualização”. Talvez por isso a Mozilla tenha reconsiderado e anulado a decisão.

O Flash da Adobe tem sido criticado nos últimos anos devido às vulnerabilidades existentes no seu código fonte, embora a empresa tenha trabalhado no sentido de corrigir essas falhas. Em abril de 2010, a empresa de segurança Symantec responsabilizou o Adobe Flash por 7% das vulnerabilidades conhecidas em plugins Web, no 2009 Security Threat Report. Nesse mês, também Steve Jobs publicou um artigo em que explicava os motivos pelos quais a Apple iria abandonar o suporte a esta tecnologia.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Futuro

O meu trabalho tem sentido? Importante é perguntar

Luis Lobo Xavier
256

Percebi que muitas vezes ter um trabalho bom e confortável nos condiciona e não nos deixa tentar ir mais longe. Portanto, se queria procurar esse “Mais”, tinha que sair da minha zona de conforto.

Atentados de Bruxelas

Um ano de cinzas

Alexandre Krauss

Não consigo passar o terminal do aeroporto de Bruxelas sem estar em alerta para algo suspeito. Mas algo mais mudou em mim: nunca foi tão forte o meu empenho em ajudar a reformar o Projecto Europeu.