Logo Observador
Literatura

10 livros que qualquer criança deve ler antes dos 10 anos

4.055

Mary Sebag-Montefiore agarra nos grandes clássicos da literatura e adapta-os para crianças. Agora, escolheu dez livros originais que, acredita, qualquer criança deve ler até aos 10 anos.

© Hugo Amaral/Observador

Autor
  • Maria Catarina Nunes

Recorda-se das férias grandes, ainda criança, quando os livros ocupavam o lugar das consolas de jogos, dos tablets e gadgets? Com o verão a crepitar na rua e o tempo livre que os miúdos ganham nas férias, a escritora Mary Sebag-Montefiore escolheu 10 clássicos da literatura que qualquer criança deve ler antes de completar duas mãos cheias de anos.

E se dúvidas houvesse, basta saber que Sebag-Montefiore já readaptou tantos clássicos da literatura para crianças que sabe mesmo do que fala quando o assunto mete livros e miúdos. “Guerra e Paz”, “Oliver Twist”, “O Monte dos Vendavais” ou “Dom Quixote” são apenas algumas das obras que a escritora reescreveu para os pequeninos: “Há poucas coisas mais gloriosas do que trazer os nossos clássicos para as novas gerações. Nunca quis alterar a integridade ou a atmosfera do original; Uso as palavras dos escritores sempre que possível”, escreve no The Guardian.

Para o verão de 2015, Mary optou por destacar clássicos para crianças, mas os originais – que não precisam de adaptações para os mais novos. “Divertidos, sérios, que fazem pensar e inspiradores de formas que nunca mudam – e que ainda assim deixam as crianças felizes”, acredita.

Ora veja a lista:

1. A História de Pedrito Coelho, de Beatrix Potter: 

beatrix potter

Mary Sebag-Montefiore escreve: “adoro o contraste entre as ilustrações suaves de Beatrix Potter e a sua visão intransigente da crueldade da vida. Conseguir mostrá-lo aos mais novos é um trabalho de génio. Crescer é duro, vai atrás do que queres! Pedrito Coelho é um aventureiro, um corajoso, um verdadeiro herói.”

2. Alice no País das Maravilhas, de Lewis Carroll

Alice no País das Maravilhas

“Foi o primeiro livro a trazer divertimento em vez de moralidade. Alice questiona tudo para tornar o caos em razão, como as crianças que deixam os adultos desconcertados quando fazem exigências. O livro está cheio de anedotas, trocadilhos, lógica, sátira e incidentes inesquecíveis: o sorrido do Gato de Cheshire, a Rainha Vermelha que ordena aos seus jardineiros que pintem as rosas de azul. São sempre para relembrar. Este é o livro mais louco e mais são alguma vez escrito.”

3. O Vento nos Salgueiros, de Kenneth Grahame

O Vento nos Salgueiros

“O Vento nos Salgueiros pode ser um pouco prolixo para as crianças de hoje, mas se o ler em voz alta, não é pecado saltar as partes demasiado sérias. As personagens são como amigos de sempre: o descontraído Ratty, o sábio Badger, o curioso Mole e o glorioso, terrível, ladrão, mentiroso e engraçado Toad. É um livro de sonhos cumpridos, aspirações tolas esmagadas, perigos superados e inimigos vencidos sem vingança.”

4. As Mulherzinhas, de Louisa May-Alcott

As Mulherzinhas, de Louisa May Alcott

“Das melhores histórias de família de sempre. É fácil identificar-se com qualquer uma das quatro irmãs March. Que rapariga criativa não é furiosa, ambiciosa, rabiscando obras como Jo? Quem não tem as vaidades de Meg, o amor de Beth por casa ou as maneiras irritantes de Amy? A alegria deste livro é forte (…). Disputas, repreensão, ciúme, vingança (não é sempre confortável ser irmã ou filha) são sustentadas por um carinho profundo.”

5. A Princesinha, de Frances Hodgson Burnett

A Little Princess by Frances Hodgson Burnett

“A história perfeita da Cinderela. Sara, imaginativa, esperta, amorosa e rica, fica orfã quando o seu pai morre. Por causa de Miss Minchin, a diretora do colégio interno, Sara passa de criança mimada para escrava da cozinha. Mas as adversidades não vão derrubar Sara, que usa a sua imaginação. Finge ser uma princesa, aguenta tudo, até que o homem que causou a ruína ao seu pai, a encontra e a adota.”

6. O Jardim Secreto, de Frances Hodgson Burnett

O Jardim Secreto, de Frances Hodgson Burnett

“Um dos livros infantis mais amados. Mary Lennox, é uma orfã feia e com mau temperamento que vai para casa assustadora do seu tio, em Yorkshire. Descobre um jardim esquecido, que está trancado. Mary e o seu primo Colin, mimado e hipocondríaco, restauram o jardim. À medida que o tempo passa, Mary transforma-se numa miúda amorosa e generosa, e Colin um rapaz ativo.”

7. Ana dos Cabelos Ruivos, de Lucy Maud Montgomery

Ana dos Cabelos Ruivos,  LM Montgomery

“Dour Matthew e Marilla Cuthbert queriam um rapaz que os ajudasse na quinta; por engano, o orfanato envia-lhes Ana dos cabelos ruivos, que os conquista com o seu charme, sorriso fácil, natureza amorosa e não intencionais mas desastrosos erros.”

8. O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa, de CS Lewis

Crónicas de Narnia

“Um clássico fabuloso. Cada reviravolta das personagens, paisagem e enredo é icónica, desde a sábia autoridade de Aslan, à Bruxa, ou ao encantamento de entrar num guarda-roupa e sair na neve de Narnia. É uma alegoria cristã, mas tem uma história inesquecível.”

9. A Princesa e o Goblin, de George MacDonald

A Princesa e o Goblin, de George MacDonald

“Qualquer criança que goste de “O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa” vai gostar deste livro. É mágico, de leitura fresca, cheio de camadas. A Princesa Irene vive num castelo e, por baixo deste, existe um túnel cheio de goblins. As criaturas querem raptar a princesa para a levar ao seu príncipe.”

10. Quando Hitler me roubou o coelho cor-de-rosa, Judith Kerr

“O livro que introduz as crianças ao tema da Segunda Guerra Mundial. O pai de Anna, um escritor judeu, é procurado pelos nazis. Ana escapa da Alemanha com os pais e irmão para a Suíça, França e Grã-Bretanha. Refugiados, vão vagueando sem dinheiro. Mas a família está feliz por estar toda junta e a vida é uma aventura. Há episódios assustadores, piores do que Anna perder o seu adorado coelho cor-de-rosa, mas a coragem e determinação da família, assim como o seu entusiasmo pela vida, faz com que qualquer um queira ler este livro novamente.”

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
António Costa

Sim, isto é mesmo como na Grécia

Rui Ramos

Não é só em Portugal: também a Grécia festeja um resultado orçamental histórico. O método foi o mesmo: reduzir o Estado a controle, empregos, e favores para amigos, e cortar o resto sem piedade. 

Crónica

Ocasiões de choradeira

Miguel Tamen

O maior serviço que a televisão presta é pelo contrário o de proporcionar a quem nela aparece a falar ocasiões de choradeira: dar azo ao apreço que quem fala sente por si próprio.