Logo Observador
Cultura

Santos Silva: “Um dos meus sonhos de sociólogo era assistir a um concerto de Tony Carreira”

3.538

O ministro dos Negócios Estrangeiros reagiu à polémica com Tony Carreira e admitiu que nunca consegui cumprir um dos seus sonhos de sociólogo "que era assistir a um concerto de Tony Carreira".

"Nunca consegui cumprir um dos meus sonhos sociológicos que foi assistir a um concerto de Tony Carreira, porque me dizem que é um dos acontecimentos que um sociólogo deve observar".

M

Na última sexta-feria estalou a polémica entre o Governo e Tony Carreira. Homenageado pelo executivo francês com com a medalha de Cavaleiro da Ordem das Artes e das Letras, o artista revelou que queria que a cerimónia se realizasse na Embaixada portuguesa em Paris, o que lhe foi negado.

Esta situação está a causar controvérsia e motivou já as mais variadas reações e justificações. A mais recente delas foi a do próprio ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, que garantiu em declarações ao Diário de Notícias que “se houve algum equívoco, rapidamente será sanado”.

Santos Silva afirmou ainda que ficou “muito contente” por Tony Carreira ter sido agraciado com esta condecoração, “que não é uma condecoração menor”. Tudo isto antes de confessar um sonho “sociológico”: “Nunca consegui cumprir um dos meus sonhos sociológicos que foi assistir a um concerto de Tony Carreira, porque me dizem que é um dos acontecimentos que um sociólogo deve observar”.

As declarações do ministro surgem depois de Tony Carreira ter afirmado depois do incidente ao DN que, “no meu país, hão de valorizar-me quando estiver com um pé para a cova”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Coisas que fazemos

Miguel Tamen

Considerado o modo como a maioria de nós joga às cartas é bem possível que afinal o façamos por outras razões: por exemplo, para conversar com pessoas parecidas connosco. 

Crónica

Coisas que fazemos

Miguel Tamen

Considerado o modo como a maioria de nós joga às cartas é bem possível que afinal o façamos por outras razões: por exemplo, para conversar com pessoas parecidas connosco.