LEGO

Os bonecos da Lego estão mais agressivos?

Um estudo realizado na Nova Zelândia mostra que houve um aumento da violência nos temas da Lego. Um porta-voz afirmou que a empresa usa o humor para tornar as brincadeiras menos violentas.

A primeira vez que uma arma apareceu num kit da Lego foi em 1978

Será que os brinquedos da Lego estão a tornar-se mais violentos? Investigadores neozelandeses acham que sim.

Um estudo da Universidade de Canterbury afirma que os produtos da empresa dinamarquesa se estão a tornar mais violentos como forma de se tornarem mais atrativos para as crianças.

Os investigadores dão conta de um aumento de armas e cenários de violência nas ofertas da Lego, informa o The Guardian. Após uma análise, o estudo declarou que 30% dos kits da Lego trazem armas.

Essa mesma análise revelou que 40% das páginas dos catálogos Lego mostram algum tipo de violência, principalmente em cenários que “envolvem disparos e situações perigosas”.

Christoph Bartneck, o investigador principal, afirmou que os produtos da Lego “já não são tão inocentes como chegaram a ser” e que hoje em dia “a violência nos produtos da Lego já vai para além de enriquecer a brincadeira”.

O estudo afirma que a Lego está a fazer o mesmo que todas as outras empresas, ao utilizar a violência para captar a atenção das crianças, que consideram “os actos violentos como entusiasmantes.

O porta-voz da Lego, Troy Taylor, afirmou que os produtos da empresa sempre promoveram uma grande variedade de brincadeiras, desde a construção, à fantasia e até às situações de conflito. “Como outro tipo de brincadeiras, o conflito faz parte do desenvolvimento natural de uma criança”, justificou Taylor, acrescentando ainda que a Lego sempre usou o humor para “ajudar a diminuir o tom das situações de conflito”.

A primeira vez que apareceram armas num kit da Lego foi em 1978, quando a empresa dinamarquesa lançou um kit de um castelo, onde as personagens usavam espadas, machados e lanças.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Web Summit

O absurdo não mata (mas mói)

Jorge Barreto Xavier

Afinal, segundo o ministro da Cultura, o grande problema do indigno jantar da Web Summit no Panteão Nacional, autorizado pela DGPC em 2017 foi: o preço... baixo.

Aquecimento Global

Salvem-nos dos salvadores do mundo

Paulo Tunhas

Na controvérsia sobre o chamado aquecimento global, a dimensão científica e a dimensão política quase se confundem. Há uma passionalidade extrema que vicia a discussão de forma muito notória.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site