Logo Observador
Dois filhos na mochila

Mi Bogotá querida

A capital da Colômbia é a primeira paragem da viagem em família pela América do Sul. Enquanto as crianças ultrapassam a barreira da língua a brincar, os adultos desfrutam a arte de Botero e a comida.

A Praça Bolívar é o coração do centro de Bogotá.

Getty Images

Coincidência ou destino, faz agora dez anos que vim pela primeira vez à Colômbia, para o casamento dos amigos que agora nos recebem em casa. Vem já dessa altura o fascínio por este país, onde salta à vista a extrema amabilidade com que todos nos tratam.

Depois de 15 horas no avião, e a acertar os sonos com o fuso horário de seis horas a menos, demo-nos ao luxo de passar o primeiro dia em casa a recuperar forças. Foi também o momento para a Luísa e o Manel quebrarem o gelo com as suas jovens anfitriãs, de quatro e seis anos. Não foi logo à primeira, porque os visitantes entraram a pés juntos e fizeram uma OPA hostil aos brinquedos das filhas dos nossos amigos, mas com algum jogo de cintura lá alcançaram uma convergência de brincadeiras.

No fim de semana, outro amigo levou-nos a passear pelo centro de Bogotá. A Praça Bolívar, onde está a Catedral, o Parlamento e o Palácio de Justiça, foi o ponto de partida para uma caminhada pelo bairro da Candelária, com arquitetura colonial. Na Calle de los Amigos, celebrámos em foto o reencontro e alimentámos o desejo de poder voltar mais algumas vezes.

La Calle de los Amigos #porellosvenimos #winniethepooh #paez #buenaonda

A photo posted by O Verbo Ir (@overboir) on

Paragem prioritária foi o Museu Botero, onde vimos dezenas de quadros do mais conhecido artista plástico colombiano, que é um dos nossos preferidos. A Luisinha divertiu-se a apontar para cada rabo nu das gordinhas que pululam na pintura de Fernando Botero. O Manel, por sua vez, lançou um olhar guloso para as frutas tropicais das naturezas mortas.

Depois de alimentar o espírito, chegou a hora de forrar o estômago. Andrés Carne de Rés é uma instituição de Bogotá, começada num restaurante-discoteca nos arredores da cidade e multiplicada entretanto por outros espaços, como este onde o Juan nos levou, num centro comercial da “Zona T”.

Além da comida deliciosa que serve, o espaço vale por si, com uma intensa decoração kitsch, cores fortes e placas com mensagens cheias de humor. Entre os vallenatos e demais música latina que animava o ambiente, fomos surpreendidos primeiro por uma morna de Cesária Évora, e logo a seguir por um fado de Jorge Fernando. Mais um sinal de que nos sentimos realmente em casa.

Com poucos dias de viagem, a Luísa já nos perguntou “estás bien?” e já se despediu com “buenas noches”, tal como também já sugeriu que voltássemos para casa para ver desenhos animados em português. Mas logo a seguir pôs-se a imaginar: “Quando eu for adulta e fizer uma viagem com os meus filhos…” Não me lembro do que veio a seguir, mas fiquei contente por ver crescer nela a semente da curiosidade.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Quem viaja muito a trabalho tem sorte?

Ruth Manus

Viajar toda hora só é uma sorte quando tais viagens são por turismo voluntário ou por outra razão mais nobre. Viajar por necessidade ou por imposição não tem lá muita graça.

Maioria de Esquerda

Jogo da Glória: regras e regulamentos

Alberto Gonçalves
189

Na sua página do Facebook, um comentador lembra-lhe educadamente que, além de outras interessantes peculiaridades “culturais”, os ciganos também acham a homossexualidade uma “anomalia”. Recue uma casa