Nobel da Literatura

De “Os Despojos do Dia” a “O Gigante Enterrado”: o que pode ler de Kazuo Ishiguro em português

150

"Os Despojos do Dia" é o romance mais conhecido do Nobel da Literatura e já foi adaptado ao cinema. Estreou-se nos romances em 1982 e começou a ser traduzido em Portugal em 1990.

Getty Images

“As Colinas de Nagasáqui” (1990)

Com tradução de Gabriela Gonçalves, foi editado em Portugal pela Relógio d’Água em 1990, oito anos depois do original em inglês, A Pale View of Hills, que marcou a estreia de Kazuo Ishiguro nas letras, depois de ter estudado escrita criativa na universidade de East Anglia, em Norwich , Inglaterra. Conta a história de uma japonesa no Reino Unido, Etsuko, que recebe a visita da filha mais nova e recorda as perdas familiares, o marido e a filha mais velha que já morreram, e os traumas da guerra, num livro descrito como uma reflexão sobre o papel da mulher na sociedade.

“Um Artista do Mundo Transitório” (1990)

An Artist of the Floating World, de seu título original, é narrado na primeira pessoa por um pintor, Masuji Ono, num olhar sobre o passado e a forma como a II Guerra Mundial comprometeu a sua vida. O papel secundário das pessoas mais velhas na sociedade japonesa da segunda metade do século XX é um dos temas tratados. Original de 1986, traduzido em Portugal por P. Kings para a editora Livro Aberto.

“Os Despojos do Dia” (1991)

A obra mais conhecida de Kazuo Ishiguro é de 1989, ano em que recebeu o Man Booker Prize, considerado o mais importante prémio literário britânico. Foi adaptada ao cinema em 1993 pelo realizador norte-americano James Ivory, com Anthony Hopkins no papel de um mordomo que reencontra um amor antigo durante uma viagem. “Uma verdadeira obra-prima”, classificou a secretária permanente da Academia Nobel, Sara Danius, citada pelo jornal The Guardian. A tradução portuguesa de “The Remains of the Day”, assinada por Fernanda Pinto Rodrigues, com revisão de José Soares de Almeida, saiu pela Gradiva em 1991 e foi reeditada em 1995.

[trailer de “Os Despojos do Dia”, de James Ivory]

“Os Inconsolados” (1995)

The Unconsoled, publicado entre nós no mesmo ano da versão em inglês, é história de um pianista famoso que não consegue controlar todos os aspetos da sua vida em vésperas de um concerto – descrito como uma personagem digna de Kafka. Deixou críticos incapazes de formular um opinião definitiva. “Difícil, desconcertante, desafiador”, escreveu Sam Jordison no Guardian. “Estou numa luta. Não é que não admire ou não goste do livro; no fim, talvez até concorde com os que pensam tratar-se de uma obra-prima”, acrescentou. Tradução de Fernanda Pinto Rodrigues para a Gradiva.

“Quando Éramos Órfãos” (2000)

Terceiro livro de Ishiguro traduzido por Fernanda Pinto Rodrigues, também para a Gradiva, When We Were Orphans foi descrito à época como o romance em que o escritor tinha finalmente conseguido modular a sua escrita e fazer uma síntese do estilo e temas das obras anteriores. O narrador, Christopher Banks, tenta descobrir o msitério do desaparecimento dos pais, numa história, tal como as anteriores, na primeira pessoa e num tempo passado.

“Nunca me Deixes” (2005)

Never Let Me Go, também adaptado ao cinema, por Mark Romanek, é tida como uma narrativa de ficção científica que aborda o tema da clonagem. Antigos colegas de uma escola especial, em que as crianças eram protegidas do mundo exterior e educadas como seres especiais, Kathy, Tommy e Ruth voltam a viver um triângulo amoroso. Tradutor: Rui Pires Cabral. Editora: Gradiva.

[trailer de “Nunca me Deixes”, de Mark Romanek]

“Noturnos: Cinco Histórias sobre Música e o Cair da Noite” (2009)

Cinco contos narrados por homens, na primeira pessoa, uma marca do autor, que podem ser lidos como peças de um mesmo concerto e abordam temas como o confronto com promessas da juventude, os desenganos, o mistério e a deceção no outro, o fim sem catarse, de acordo com as sinopses. Tradução de Rui Pires Cabral para a Gradiva.

“O Gigante Enterrado” (2015)

Colhe sugestões de O Senhor dos Anéis, de Tolkien, e entra em mundos de criaturas imaginárias. “A coisa mais estranha, arriscada e ambígua” que Ishiguro alguma vez publicou, escreveu o New York Times em 2015, ano da edição original. Axl e Beatrice, numa viagem sobrenatural protegida por uma cavaleiro. Ana Falcão Bastos assina a tradução, revista por Maria de Fátima Carmo, numa edição Gradiva. Primeiro romance de Ishiguro depois de uma década de interregno.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

O deserto

Diogo Prates

Ou estes candidatos à liderança do PSD redirecionam a sua estratégia, apresentando alternativas válidas ao governo, ou arriscam-se a ver o PS cada vez mais longe e o CDS-PP cada vez mais perto.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site