Rádio Observador

Cultura

Siza Vieira doa acervo à Gulbenkian, Serralves e ao Centro Canadiano de Arquitetura

O arquiteto premiado explica que nos últimos anos sentiu a necessidade de organizar o arquivo do seu trabalho, procurando "uma solução que considerasse fundamentada".

Siza Vieira decidiu doar outra parte ao Centro Canadiano de Arquitetura (CCA) em Montreal, "instituição de experiência e prestígio ímpares e com intensa e contínua atividade"

JOS

Autores
  • Agência Lusa
  • Sara Otto Coelho

O arquiteto Siza Vieira anunciou, esta quarta-feira, a decisão relativa ao seu acervo, tendo optado por doar uma parte a duas instituições portuguesas, Fundação Gulbenkian e Fundação de Serralves, e outra ao Centro Canadiano de Arquitetura.

“É meu desejo que o trabalho de tantos anos seja de algum modo útil, como contribuição para o estudo e debate sobre a arquitetura, particularmente em Portugal, numa perspetiva oposta ao isolamento, (como já hoje sucede e é imprescindível) “, pode ler-se num comunicado enviado à agência Lusa.

De acordo o arquiteto, a opção passou por doar parte “a duas instituições portuguesas, já com experiência, qualidade e capacidade para desenvolver ou alargar os respetivos arquivos (Fundação Gulbenkian e Fundação de Serralves), numa perspetiva de abertura à consulta, divulgação e participação num debate que já não é simplesmente nacional, nem centrado no individual”.

Siza Vieira decidiu doar outra parte ao Centro Canadiano de Arquitetura (CCA) em Montreal, “instituição de experiência e prestígio ímpares e com intensa e contínua atividade”, que é “reconhecido pela sua experiência na preservação e apresentação de arquivos internacionais”.

A decisão do arquiteto vencedor do prémio Pritzker foi conhecida esta quarta feira, depois de na semana passada a revista Visão e o jornal Público terem noticiado que o arquivo de Siza Vieira poderia ir para o Centro Canadiano de Arquitetura, em Montreal, o que gerou uma onda de reações políticas e culturais.

No comunicado enviado à Lusa, o arquiteto explica ainda que o CCA vai tratar de “uma grande parte” do arquivo, onde “estará acessível, em conjunto com o trabalho de outros arquitetos modernos e contemporâneos”.

“Conforme conversações já efetuadas, o CCA estará disponível para colaborar com a Fundação Gulbenkian e a Fundação de Serralves na catalogação consistente do material e na partilha da pesquisa e programação relacionadas”, acrescentou.

De acordo com Siza Vieira, o vereador da Cultura da Câmara do Porto, Paulo Cunha e Silva, manifestou-lhe a intenção de instalar uma galeria de exposição sobre a arquitetura da cidade, constituída em particular por maquetas.

“Comuniquei-lhe o meu apoio a esse propósito, considerando a relevância do projeto para pública informação e debate sobre a arquitetura”, enfatizou.

O arquiteto premiado explica que nos últimos anos sentiu a necessidade de organizar o arquivo do seu trabalho, procurando “uma solução que considerasse fundamentada”, tendo verificado “existir um interesse evidente, por parte de pessoas e instituições”.

“Desenhos e maquetes do meu arquivo encontram-se já, alguns desde há anos, em Paris (Beaubourg), em Nova Iorque (MOMA) e em Londres (Niall Hobhouse Collection), nos respetivos arquivos de arquitetura”, recorda.

O Governo, através do Secretário de Estado da Cultura, congratula-se com a decisão do arquiteto Álvaro Siza Vieira.
“Considera-se que esta é uma solução que serve os interesses nacionais e garante, ao mesmo tempo, a promoção internacional da obra do mais importante arquiteto português da sua geração”, pode ler-se na nota enviada aos jornalistas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)