Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Os elementos para o sucesso estão reunidos. Um grande número de fãs já existente, oito romances históricos que misturam a narrativa com fantasia e um elenco de luxo. No fim de semana passado, na convenção de San Diego Comic Con, foi apresentada uma nova série que pode rivalizar com o sucesso Guerra dos Tronos: Outlander. A nova série é baseada numa série de oito romances da escritora americana Diana Gabaldon. Em Portugal, já estão publicados três pela editora Casa das Letras.

Os oito livros da série contam a história de uma enfermeira chamada Claire Randall, interpretada pela atriz Caitriona Balfe na versão televisiva, que viaja no tempo, na sua lua-de-mel durante o inverno de 1945, e depois encontra-se sozinha na Escócia do século XVIII. Lá, ela encontra Jamie Fraser, papel interpretado por Sam Heughan, e envolve-se numa aventura romântica no meio da revolução jacobina.

A produção da série televisiva ficou a cargo do canal televisivo Starz com Ronald D Moore a liderar, produtor cujos projetos anteriores estão muito distantes de uma Escócia medieval. Trabalhou nas séries futurísticas Battlestar Galactica e Star Trek. Mas isto não é um argumento contra Moore.

Outlander promete misturar vários géneros televisivos como a fantasia, a ficção científica, o histórico, o romance e muitos momentos de ação. Para distanciar a série do espetro do convencional, do lugar-comum, o romance histórico tem mulheres nos papéis centrais e promete muitas cenas de sexo explícito e violência, o que tem atraído comparações com o grande sucesso da HBO, a série Guerra dos Tronos. A dado ponto, num dos volumes de Outlander, a personagem principal estrangula com as próprias mãos um lobo.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Ronald Moore, em declarações durante a convenção em San Diego, afirmou que a maior dificuldade durante a produção da série foi a recriação do cenário histórico na Escócia, em 1743. Após os lucros que a série Guerra dos Tronos trouxeram à Irlanda, representantes do portal do turismo escocês VisitScotland esperam que a série Outlander tenha o mesmo efeito, conta o jornal Telegraph. O primeiro volume da série Outlander foi publicado em 1991 e o oitavo, “Escrito com o sangue do meu coração”, foi diretamente para o número um da lista dos mais vendidos do New York Times, este mês.

Os romances Outlander já venderam 26 milhões de cópias pelo mundo. E apesar da considerável popularidade da série, a autora não quis que os romances fossem adaptados à televisão, até agora. Gabaldon vive no Arizona e tem um doutoramento em ecologia comportamental. Antes de ter escrito estes romances, nunca tinha estado na Escócia.

Para os leitores ou futuros fãs da série televisiva, Outlander tem uma vantagem gigante quando comparada com a Guerra dos Tronos: todos os livros já estão publicados.