Os habitantes de Lisboa estão à espera de ver implementada uma rede de internet sem fios (wi-fi) na cidade pelo menos desde 2012. Nesse ano, uma proposta apresentada ao Orçamento Participativo (OP) da capital foi aprovada para execução, mas desde então nada foi feito. Já em 2013, uma nova proposta de cidadãos levada ao OP também foi selecionada para ser implementada, ao ter recolhido 420 votos.

A proposta “Lisboa wi-fi”, apresentada ao OP de 2012, propõe a implementação de uma rede de “internet sem fios (wifi) gratuito em espaços de lazer, nomeadamente espaços verdes, miradouros, praças, escolas e em edifícios municipais”. A proposta de 2013 é semelhante, introduzindo apenas a ideia de que se deve estabelecer uma “parceria com os comerciantes” nas zonas em que exista comércio e, nos locais onde tal não seja possível, que a rede seja financiada “via patrocínios”.

Ambos os pedidos dos cidadãos terão um custo máximo de 300 mil euros – 150 mil cada uma. A Câmara Municipal de Lisboa compromete-se a pôr em prática todas as propostas aprovadas pelo OP e, no caso da de 2012, que é a única das duas que, para já, tem um ponto de situação publicado no site Lisboa Participa, diz-se que “está a ser estudado o modelo de implementação e gestão da infraestrutura de rede”.

Lisboa já teve uma rede wi-fi grátis nos seus jardins. Chamava-se “Jardins Digitais” e foi lançada pelo executivo camarário de Carmona Rodrigues em outubro de 2006, na altura com o apoio técnico da Portugal Telecom. “É preciso saber viver num mundo cada vez mais digital”, referiu o presidente do município à data da inauguração da rede. Esta iniciativa viria, porém, a terminar abruptamente em julho do ano seguinte, por o número de acessos ter ficado aquém das expectativas. O novo presidente da câmara, António Costa, tomaria posse a 1 de agosto seguinte.

Enquanto Lisboa continua à espera de uma rede wi-fi, o concelho vizinho de Oeiras alargou a sua rede, criada em 2013, a mais espaços públicos, estando disponível nas praias, nas bibliotecas e no centro da vila, por exemplo. Também cidades como Braga ou Viseu já implementaram as suas próprias redes de acesso à internet sem fios.