Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Um novo projeto financiado pela União Europeia está a desenvolver uma pulseira para ajudar as crianças invisuais a compreender melhor o mundo à sua volta. Chama-se ABBI (Audio Bracelet for Blind Interactions) e está a desenvolver um sistema auditivo que auxilia as crianças a melhorar a sua compreensão do espaço em redor, bem como as relações sociais, tão importantes no seu desenvolvimento.

“Ao contrário da crença instalada, a audição das crianças invisuais não é mais desenvolvida que nas crianças que veem”, afirma Monica Gori, a coordenadora do projeto. Ela explica que este sistema é muito simples e que não requer a aprendizagem de uma linguagem ou código específico, porque se baseia no som. Ajudará uma criança cega ou amblíope, por exemplo, a encontrar a posição relativa de um amigo numa festa, através da produção de um som específico para cada um. Pode parecer pouco, mas é muito importante para a socialização das crianças.

O grau de simplicidade do princípio de funcionamento desta pulseira permitirá que seja usada desde o primeiro ano de idade, o que aumentará as capacidades cognitivas das crianças, porque lhes dá a capacidade de compreender melhor a posição do seu corpo no espaço, realça Monica Gori. Outra das caraterísticas importantes é a capacidade de personalização da pulseira, ou seja, as crianças poderão sinalizar os indivíduos com os sons com que melhor se/os identifiquem (usando o exemplo da festa, cada um dos amigos da criança invisual transportará uma pulseira que emite um som específico).

Para já desenvolvido para ajudar as crianças, o objetivo final do grupo de trabalho será adaptar este sistema à reabilitação psicomotora de crianças e adultos. Este projeto resulta da colaboração das Universidades de Glasgow, Lund, Hamburgo, o Instituto Italiano de Tecnologia e com o Instituto Chiossone, é financiado pela União Europeia e deverá estar concluído em 2017.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR