O artista plástico Júlio Pomar vai fazer uma doação à Fundação com o seu nome de cerca de 300 obras, incluindo pinturas, esculturas, desenhos e gravuras, anunciou fonte da entidade. De acordo com Alexandre Pomar, administrador da Fundação Júlio Pomar, as obras serão formalmente doadas na terça-feira, num ato de registo notarial que decorrerá nas instalações do Atelier-Museu Júlio Pomar, em Lisboa.

O Atelier-Museu Júlio Pomar foi inaugurado em abril de 2013, inserido no conjunto de equipamentos culturais da Câmara Municipal de Lisboa, criado para conservar e divulgar a obra do artista plástico português de 88 anos. É neste espaço, na Rua do Vale, que estão a ser depositadas as obras que constituem o acervo pessoal do pintor, de acordo com os objetivos da fundação, criada em 2004, altura em que o artista fez uma primeira doação de cerca de 400 peças.

Esta nova doação é composta por um total de 313 obras: trinta de pintura, onze de assemblage, sete de escultura, quatro de cerâmica, cem desenhos  e mais onze cadernos de estudos, oitenta gravuras e setenta serigrafias. Entre as obras de pintura contam-se os óleos “Mulheres na Lota” de 1951, “Ponte de D. Luiz” de 1962, “Estudo em vermelho” de 1964, “Mariza” de 2011, acrílico e pastel sobre tela, e “Fernando Pessoa e Alfredo Marceneiro”, do mesmo ano. De acordo com Alexandre Pomar, filho do artista, esta segunda doação “foi comunicada à Câmara Municipal de Lisboa nas vésperas da abertura do Atelier-Museu, por ocasião da formalização do Protocolo Adicional de colaboração” com a autarquia, no ano passado.

Na formalização marcada para terça-feira, segundo o administrador, decorrerá igualmente a escritura pública da revisão dos estatutos da Fundação Júlio Pomar, que substitui a versão original datada de 9 de dezembro de 2004. Os novos estatutos “procedem à adequação das suas normas com a Lei Quadro das Fundações de 9 de julho de 2012”, e integram as disposições resultantes protocolos estabelecidos com a Câmara Municipal de Lisboa em 2007 e 2012.

Pintor e escultor, nascido em Lisboa, em 1926, Júlio Pomar é um dos criadores de referência da arte moderna e contemporânea do país. Estudou na escola de artes decorativas António Arroio e nas escolas de Belas Artes de Lisboa e Porto, mudando-se para Paris em 1963, e regressou a Lisboa vinte anos depois, onde continua a criar.