Rádio Observador

Amália Rodrigues

“Quis conhecê-la melhor para que quando a abraçasse não fosse um estranho”

Estudou-a. Quis conhecer a mulher para lá da música. Acabou a fazer um dueto com ela. No dia em que passam 15 anos da morte de Amália Rodrigues o Observador falou com Júlio Resende.

Autor
  • Ricardo Oliveira Duarte

Não há cordas de guitarra. Só as do piano. E há a voz dela. Em “Medo”, Júlio Resende junta a cadência das teclas à voz de Amália Rodrigues num “Dueto (im)possível com Amália Rodrigues”.

No dia em que o calendário marca que há 15 anos Amália morreu, o pianista diz ao Observador que a fadista, a artista, “é de tal modo grande que se deixa continuar”.

Júlio Resende nunca conheceu Amália Rodrigues, e no entanto foi o primeiro músico a ser autorizado a utilizar a voz dela num disco dele. Durante quase sete anos estudou Amália. Não só a música, quis perceber muito mais que isso, falou com quem conversou muito com ela, o autor da biografia oficial, Vítor Pavão dos Santos, e com Hugo Ribeiro, o técnico de som que gravou tantas e tantas vezes Amália, e de quem ela disse em várias entrevistas que “ninguém gravava melhor” a sua voz. “Quis conhecê-la melhor, para que quando a abraçasse não fosse um estranho.” diz Júlio Resende.

Esse “abraço metafísico” deu origem ao álbum “Amália por Júlio Resende”, de 2013, editado pela Valentim de Carvalho. Ao quarto disco a solo o pianista virou-se para o fado, depois do jazz onde começou. E a culpa é, maioritariamente, assume, de Amália – “porque foi ela que me ensinou o fado, o canto do fado. As canções. E que me deu essa memória dessas canções: “Mariquinhas”, “Lágrima”, “Nem às paredes confesso”.

Quanto ao dueto, o nome do tema tornava quase demasiado óbvia a pergunta, mas ainda assim ela foi feita: “Teve medo?”

“Sempre medo. E acho que ele só se extinguiu no momento em que o estava a fazer, quando estava a tocar com ela, ao mesmo tempo… Sinto-me abençoado por estar a ter essa oportunidade, de tocar com ela.”

Filósofo de formação, “pouco dado a misticismos”, Júlio Resende não esconde, no entanto, que há algo na ligação que construiu com Amália que parece galgar o terreno. “Já aconteceram muitos momentos em que eu senti que ela estava comigo e que foi ela que decidiu por mim neste campo tão específico desta canção. Obviamente isto é uma coisa mística, é uma sensação, uma intuição. Sinto-me muitas vezes com ela. Mas pode ser apenas fruto da minha imaginação.”

À memória Júlio Resende vai buscar um concerto em Belgrado para explicar o que, em parte, lhe vai na cabeça neste dia de efeméride. “As pessoas vieram ter comigo e, muito simpaticamente, disseram que se tinham arrepiado, e eu perguntei: já conheciam a Amália?” A resposta foi afirmativa, mas… “Sim, mas nunca a tínhamos ouvido cantar.” O pianista assume-se como um dos que vê no continuar a levar Amália a quem apenas lhe conhecia o nome, cantá-la ou acompanhá-la, uma paixão. “As pessoas que amam alguma coisa, e por isso se dedicam, fazem com que essa coisa não morra de facto. Continuam-na. Como se ela continuasse a existir. Isso deixa-me feliz. Ela é de tal modo grande que se deixa continuar.”

Júlio Resende, o primeiro, e único, autorizado a utilizar a voz de Amália, se hoje, 15 anos depois da morte da fadista, lhe pudesse dizer alguma coisa, diz que recorreria apenas a duas palavras: “muito obrigado”.

 

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)