Arte

Concetta vê quase 100 milhões de cores e tenta pôr isso nos seus quadros

137

É um fenómeno raro e mesmo as pessoas que o têm nem sempre se apercebem dele. Chama-se tetracromatismo e está a ajudar uma artista australiana a divulgar os seus quadros.

A artista pinta desde os sete anos

Do Facebook de Concetta Antico

Autor
  • João Pedro Pincha
Mais sobre

A folha de uma árvore é verde, certo? Para a esmagadora maioria dos seres humanos, verde é a única cor que é visível. Para Concetta Antico, uma artista australiana, cada folha é verde, vermelha, roxa: é “um mosaico de cores”. Ela é uma das poucas pessoas no mundo que têm a capacidade de ver perto de cem milhões de cores, quando a generalidade dos humanos vê um milhão.

Concetta Antico é tetracromata, ou seja, tem quatro tipos de cones oculares – células do olho que percecionam as cores -, em vez dos habituais dois ou três, que as outras pessoas têm. Isto permite-lhe captar mais variações de cores do que o olho humano geralmente consegue ver. Alguns animais, nomeadamente algumas espécies de aves e peixes, têm os quatro tipos de cones, mas nos humanos parece tratar-se de um fenómeno raro, que os cientistas acreditam verificar-se em cerca de 1% da população mundial, e que tem mais incidência nas mulheres do que nos homens.

“A diferença entre uma tetracromata e alguém com uma visão normal não é tão dramática como a diferença entre um daltónico e uma pessoa com visão normal”, explica Kimberly Jameson, da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, que tem estado a estudar o caso de Concetta há mais de um ano. Segundo esta especialista, uma vez que o olho dos tetrocromatas tem quatro tipos de cones, a comunicação com o cérebro é ainda misteriosa, mas uma das hipóteses em estudo é a de que o cérebro tem de ser treinado para se aperceber de um espectro de cores maior. Parece ter sido o caso de Concetta, que pinta desde os sete anos e sempre foi “fascinada pela cor”, diz.

É muito difícil provar empiricamente a existência do tetracromatismo nos humanos, porque nenhuma pessoa tem uma noção exata do que os outros veem. Mas, no caso de Concetta, os testes preliminares parecem ter provado cientificamente o fenómeno e os seus quadros, muito coloridos, começam agora a ganhar fama.

“Um dos meus objetivos é levar as pessoas a gostarem da Terra. Fico feliz apenas por acordar e olhar para uma flor. O meu objetivo principal é divulgar a minha arte e ajudar as pessoas a olhar para o seu planeta. Quero que se preocupem com ele, que o amem e o salvem”, disse Concetta Antico ao Huffington Post.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Descobrimentos

Uma lança em África /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
213

Neste tempo, em que muitos se orgulham do que os deveria envergonhar, também há quem se envergonhe das glórias da história de Portugal.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)