Rádio Observador

Ciência

Como fugir ao cancro da próstata? Fazer sexo com mais de 20 pessoas

10.709

Não basta fazer sexo muitas vezes. É preciso que seja com, pelo menos, 20 pessoas ao longo da vida. Porquê? Para reduzir em 28% a probabilidade de contrair cancro da próstata, diz um estudo canadiano.

Um estudo realizado pela Universidade de Montreal inquiriu 3208 homens sobre os seus hábitos e experiências sexuais

LEO RAMIREZ/AFP/Getty Images

Autor
  • Diogo Pombo

Sexo. Há quem pense em fazê-lo a toda a hora. Agora, no caso dos homens, a ciência, ao que parece, já lhes dá um motivo para o tentarem fazer com o maior número de parceiros(as) possível. Ou melhor, pelo menos com 21 ao longo da vida. Se atingir as duas dezenas, saiba então que tem menos 28% de probabilidade de contrair cancro da próstata — em Portugal, aliás, este é o tipo de cancro mais comum nos homens.

Não chega fazer sexo muitas vezes. Nem com a mesma pessoa. Isso não conta. É o que diz um estudo, publicado no Journal Cancer Epidemiology e conduzido por investigadores da Universidade de Montreal, no Canadá, que analisou a associação entre o número e o sexo dos parceiros sexuais e os efeitos que podem ter no diagnóstico de cancro da próstata. Ao que parece, com base nas respostas e experiências de 3208 homens, podem ter alguns. E diferentes.

Se um homem que tem sexo com 21 pessoas reduz a probabilidade de diagnóstico, o contrário acontece no caso de homossexuais — aí, a hipótese de contrair cancro da próstata quase duplica se o indivíduo praticar relações sexuais com mais de duas dezenas de homens. Isto comparado com um homem que nunca tenha tido sexo com outro homem. Porquê? Marie-Elise Parent tem a palavra. “Pode ser devido à maior exposição a doenças sexualmente transmissíveis, ou por a relação sexual anal poder causar um trauma na próstata”, sugeriu ao Daily Telegraph a coordenadora do estudo.

Parent ressalvou, porém, que nesta altura todas as hipóteses são “altamente especulativas”. Como a que presume que “os homens com várias parceiras sexuais tenham mais ejaculações”, sugeriu a investigadora. Ou seja, nada é garantido. Questionada se, com base nas conclusões do estudo, podia aconselhar os homens a tentarem fazer sexo com o maior número possível de mulheres, a investigador apenas respondeu: “Ainda não chegamos a esse ponto.”

Outro dos dados do trabalho apontou que os homens que nunca fizeram sexo tinham o dobro da probabilidade de virem a contrair cancro da próstata, acrescentou o Montreal Gazette. Entre os 3208 que participaram no estudo, 1590 foram diagnosticados com este tipo de cancro entre setembro de 2005 e agosto de 2009, período em que o trabalho foi realizado. “Tivemos a sorte de encontrar tantos participantes que se sentiam confortáveis para falarem da sua sexualidade, independentemente das experiências que tivessem. A abertura provavelmente não seria a mesma há 20 ou 30 anos”, argumentou Marie-Elise Parent.

O grupo de investigadores da Universidade de Montreal já tem hoje mais de quatro mil participantes reunidos para prosseguir com as investigações. O próximo passo é estudar a potencial ligação entre o cancro da próstata e fatores como o stress, o trabalho em horário noturno ou a circuncisão.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)