O programa “Book at Bedtime” do Radio 4 da BBC convidou a premiada escritora Hilary Mantel para falar sobre o novo livro. O problema é o tema. A obra ficcional centra-se no assassinato da ex-primeira-ministra britânica Margaret Thatcher, falecida em 2013. Há quem critique a “insensibilidade” da escolha.

O nome do novo livro de Hilary Mantel não podia ser mais claro. The Assassination of Margaret Thatcher (em português, o assassinato de Margaret Thatcher). Conhecida por se dedicar à escrita de romances ficcionais, a intenção de Mantel não é criar uma teoria da conspiração em torno da morte de Margaret Thatcher, que morreu no ano passado, aos 87 anos, de acidente vascular cerebral. Mesmo assim, há quem fique indignado com o timing.

Nadine Dorries, deputada do partido conservador inglês, disse ao jornal britânico Telegraph que a BBC deveria lembrar-se que a família da ex-Primeira-Ministra ainda está de luto. Para a deputada, o canal público “tem responsabilidades para com as pessoas que pagam a taxa audiovisual”, disse, acrescentando que daqui a alguns anos talvez o tema do livro fosse mais aceitável.

Lord Tebbit, ex-ministro do Governo de Thatcher, também teceu críticas ao livro “doentio”, escrito por uma “mente doentia” e promovido por uma “empresa doentia”, referindo-se à BBC.

O canal público respondeu às críticas. “O ‘Book at Bedtime’ oferece o melhor da literatura moderna e clássica e, para fazer isso, apresenta uma grande variedade de perspetivas vindas de todo o mundo”, disse um porta-voz da BBC, citado pelo Telegraph. “O trabalho de Hilary Mantel (…) tem interesse significativo para o público e não vamos do tema controverso”, acrescentou.

Hilary Mantel é uma escritora premiada. Em 2009 venceu o Man Booker Prize com o livro Wolf Hall, romance histórico sobre a Inglaterra do rei Henrique VIII. Em 2012, mais um Man Booker Prize, com O Livro Negro, romance histórico que continua a trilogia iniciada com Wolf Hall. Ambos estão publicados em Portugal pela Civilização Editora.