O presidente da UEFA voltou hoje a propor a introdução de um cartão branco, que penalizaria um futebolista com 10 minutos de suspensão, uma proposta que já tinha sido rejeitada pelo homólogo da FIFA.

“O cartão branco pretende penalizar protestos e encenações dos jogadores, atitudes que os adeptos não aceitam”, defendeu Michel Platini durante um congresso de desporto no Dubai. O presidente da UEFA já tinha lançado esta ideia em outubro, mas o cartão branco foi imediatamente rejeitado pelo líder da FIFA, Joseph Blatter.

“O cartão amarelo vai continuar a existir, mas será interessante ter outro cartão, que suspende um jogador por cinco ou dez minutos. É uma forma de promover o jogo entre os adeptos que não gostam de determinados comportamentos dos jogadores”, insistiu Platini.

Em finais de outubro, pouco depois de Platini ter lançado pela primeira vez esta ideia, Blatter manifestou-se contra o cartão branco, alegando que não se devem introduzir no futebol “mudanças radicais”.

“Entendemo-nos muito bem com os cartões vermelhos e amarelos. Não há qualquer necessidade de introduzir o cartão branco”, disse na altura Joseph Blatter.

Esta posição do presidente da FIFA não desmotivou Platini, que voltou agora a falar desta proposta. “Agora só falta convencer a FIFA”, admitiu no Dubai o presidente da UEFA.