Depois de várias suspeitas, Lance Armstrong confessou em janeiro de 2013, no programa de Oprah Winfrey, ter tomado produtos para aumentar a performance desportiva. Hoje, Armstrong confessa que teria feito o mesmo naquela altura. “Se eu estivesse a competir em 2015, não faria outra vez (cometer doping), porque acho que não é preciso. Se eu pensar em 1995, quando o doping estava por todo o lado, provavelmente faria outra vez”, revelou em entrevista ao editor de desporto da BBC.

Armstrong já era acusado de doping desde 1996, depois de recuperar de um cancro. O ciclista sempre negou, até que chegou um relatório revelado em 2012 com mil páginas que evidenciavam a prática. Agosto de 2012 marca a reviravolta na vida de Armstrong. Perdeu todos os recordes, incluindo os sete títulos na Volta à França e foi banido do ciclismo para sempre pela Agência Anti-Doping dos Estados Unidos.

Diz que, depois da confissão à apresentadora de televisão, a queda foi “muito pesada”. Vive apenas a “10 por cento”. Continua a considerar-se merecedor dos sete títulos da Tour de França e avisa que correu “limpo”, ou seja, sem qualquer substância, entre 2009 e 2010. Armstrong admite que o doping é um comportamento”inaceitável” e “sem desculpa”, mas espera voltar à vida pública em pleno.