São lugares que já não existem. Ou porque foram destruídos ou porque foram alterados. Mas deixaram saudades ou ficaram gravados na memória.

A nostalgia ligada a vários locais e edifícios de Lisboa é o mote para a eleição de “As 10 Marcas Apagadas de Lisboa”. De entre mais de 60 sugestões dos lisboetas, foram escolhidos 20 pontos dos quais sairão os dez eleitos.

Para a maioria, estas imagens serão desconhecidas. Há algumas sugestões de edifícios que desapareceram com o terramoto de 1755 e outros que foram totalmente modificados no início dos anos 90. O Fórum Cidadania LX, responsável pela iniciativa, define-a como uma “celebração da cidade” e uma forma de “homenagear Lisboa e os  seus habitantes e todos aqueles que a construíram”.

Cada pessoa pode votar em três locais. A votação termina simbolicamente a 13 de junho, dia de Santo António, o santo padroeiro de Lisboa.

Na fotogaleria acima estão fotografias de 12 marcas a concurso, disponibilizadas pelo Arquivo Municipal de Lisboa. Eis a lista completa das vinte marcas de Lisboa em votação:

  1. E24 e elétricos
  2. Feira Popular
  3. Parque Mayer
  4. Hotel Aviz
  5. Mercado da Praça da Figueira
  6. Paço da Ribeira
  7. Ópera do Tejo
  8. Capela Real Patriarcal do Paço da Ribeira ou Patriarcal
  9. Cinema Europa
  10. Baixa Mouraria/Martim Moniz
  11. Avenidas Novas – prédios e palacetes
  12. Avenidas Novas – espaço público
  13. Estação sul e sueste
  14. Pavilhão de Honra e de Lisboa da Exposição do Mundo Português
  15. Café Chave D’Ouro
  16. Teatro Eden
  17. Cine-teatro Monumental
  18. Cinema Odéon
  19. Cinema Império
  20. Armazéns do Chiado

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR