O grupo de dez turistas que tirou fotografias sem roupa no monte sagrado Kinabalu na Malásia “pode ser acusado de ter causado um terramoto” de magnitude 5,9 na escala de Richter, escreve o Guardian. As acusações surgiram após as fotografias terem circulado pelas redes sociais. O fundamento prende-se com o facto de a montanha ser sagrada e de “os espíritos não terem gostado do que [os turistas] fizeram”. Eleanor Hawkins, uma turista britânica de 23 anos que fazia parte do grupo, foi já detida esta terça-feira por ter posado nua no topo do monte.

“Quer outras pessoas acreditem ou não, é nisto em que nós [população do Sabá] acreditamos. Quando o terramoto aconteceu, foi como que uma confirmação das nossas crenças. Aquela é uma montanha sagrada, e não se pode levar isso de ânimo leve”, afirmou Joseph Pairin Kitingan o ministro-adjunto do estado do Sabá, na Malásia. Os turistas “deveriam ficar na prisão durante muito tempo”, acrescentou.

A detenção de Eleanor Hawkins aconteceu uns dias antes de ter ocorrido na Malásia um terramoto que acabou com a vida de 18 alpinistas, escreve o El Mundo. A jovem foi detida no aeroporto de Borneo onde iria voar até à capital malaia, Kuala Lumpur. Foi condenada a três dias de prisão e a pagar uma multa de cerca de 1.240 euros, segundo o Independent. Outras três pessoas estão a ser investigadas.

As ações do grupo de turistas indignaram os residentes locais não só pelas fotografias mas também pelas alegações de que o grupo teria tido uma atitude rude para com os guias da montanha, que lhes pediram que parassem.

Segundo a tribo malaia Kadazan-Dusun, o Monte Kinabalu é um local sagrado onde é prestada homenagem aos mortos, sendo que o nome do monte significa algo como “o lugar venerado dos mortos”. O Monte foi considerado Património Mundial da Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura).