Gostam de aparecer no palco devidamente uniformizados atrás das cabines. Hugo veste um blusão em cabedal, capacete da época e óculos de piloto a condizer. O visual vintage (oh-so-fashion) a lembrar os corajosos aviadores da geração de Gago Coutinho e Sacadura Cabral. Jimmy prefere a farda de comandante, com galões e chapéu. Ambos usam gravatas com o logótipo Flight Facilities. A dupla de DJs com nome de companhia aérea aterra pela primeira vez em Portugal a 11 de julho. Na bagagem trazem o disco de estreia “Down to Earth” que apresentarão na última noite do NOS Alive.

Numa ascensão lenta mas controlada, o som dos Flight Facilities tem vindo a ganhar altitude ao longo dos últimos cinco anos. O sucesso acelerado de temas como “Stand Still” e “I Didn’t Believe” culmina agora com a digressão de promoção do álbum editado em outubro de 2014 . “Down To Earth” reúne o melhor dos temas que fizeram desde 2010 e acrescenta alguns temas novos à mistura. Entre os convidados para viajar na cabine encontramos Christine Hoberg, Owl Eyes, Reggie Watts e Kylie Minogue. A estrela australiana surge numa reprise de “Crave You” que dura apenas… 72 segundos. Simples, intenso e veloz.

Desenhado para ser ouvido do princípio ao fim, como uma obra completa, o resultado é uma sequência entrelaçada de canções que promete longas horas em viagem. A coleção de músicas deixa no ar o desejo de voltar a ouvi-las ao longo dos próximos anos. Em todas as faixas parece haver alguma característica intemporal. Veja aqui o mais recente “Down to Earth”, tema/título que conta com a participação de Sam Rockwell:

As competências da dupla de produtores são certificadas por faixas instrumentais como “Merimbula”, o tributo ao pequeno aeroporto em Nova Gales do Sul onde esteve instalada a companhia de aviação do avô de Hugo. Chamava-se… Flight Facilities. A empresa operou entre as décadas de 1960 e 1980. Na sequência de umas mudanças os rapazes encontraram algumas caixas com materiais da antiga companhia de voos charter. Havia autocolantes com o logótipo original que eles adotaram sem alterações, caixas de fósforos e outros objetos. Além das gravatas oficiais que os pilotos usaram. Estava criado o ambiente ideal para a caracterização das atuações do duo aéreo.

Ligaram os motores na segunda metade da década de 2000. Hugo Gruzman e James Lyell conheceram-se através de amigos comuns, unidos pela partilha de gostos musicais. Ambos seguiam a trajetória de duos tão famosos como Chemical Brothers e Daft Punk. A dupla começou por voar baixinho sob as asas de figuras maiores que já tinham direito a nomes escritos em néon na paisagem indie dance australiana. Publicaram uma série de remisturas de temas dos Bag Raiders, Cut Copy, Sneaky Sound System e dos nova-iorquinos Holy Ghost!. Nesta altura nem os amigos sabiam. Alguns falavam-lhes daquela música espetacular que tinham escutado na rádio… eles divertiam-se no anonimato.

O ano de 2010 marcou o início da odisseia no espaço com a primeira produção original. Finalmente aos comandos a dupla editou o singleCrave You” com a participação vocal da conterrânea Giselle Rosselli. Foi um dos propulsores da carreira do duo.

Outro dos temas mais conhecidos é “Clair de Lune“, canção onde se pode ouvir em loop a linha de ritmo da peça original de Debussy, à medida que os vocais de Christine Hoberg parecem fundir-se com a melodia numa viagem de quase oito minutos.

Da Austrália à Suécia, do Japão aos Estados Unidos – onde atuaram no festival Coachella em 2014 – esta companhia de aviação da música eletrónica voa para toda a parte. Ainda não definiram o estilo que os identifica. Talvez esse seja o segredo. Não assumem predefinições e querem fazer simplesmente música com qualidade. Há quem lhe chame deep house e nu disco mas eles rejeitam rótulos. Preferem dizer que fazem pop como gostavam que ela fosse no futuro.

Os Flight Facilities prometem voar bem alto num espetáculo de proporções épicas no Passeio Marítimo de Algés, na noite de 11 de julho. Check-in no palco Heineken do NOS Alive 2015.

flightfacilities.com / NOS Alive