O sonho de qualquer apreciador de doces acaba de se tornar realidade. Os dias em que os gelados começavam a derreter e a pingar por todo o lado estão prestes a terminar. Dois físicos descobriram um ingrediente que pode ser usado para criar um gelado que derrete mais lentamente, ideal para os dias de grande calor, e que promete fazer as delícias das pessoas durante um maior período de tempo, avança o The Guardian.

Os investigadores escoceses das universidades de Edinburgo e Dundee desenvolveram uma proteína chamada BslA, presente naturalmente em alguns alimentos, que pode ser criada em bactérias inofensivas e usada para criar gelados que derretem mais lentamente através da junção de água, gotículas de gordura e bolhas de ar. O resultado final é um produto com uma consistência suave e semelhante a um pudim, mais resistente ao calor do que os gelados convencionais (e às gotas que muitas vezes nos escorrem pelas mãos abaixo).

A BslA evita ainda a formação de pequenos cristais de gelo durante a congelação e permite obter uma maior cremosidade com níveis mais baixos de gordura saturada e, consequentemente, menos calorias. A má notícia é que os gelados feitos com a proteína só estarão disponíveis dentro de três a cinco anos para consumidores e fabricantes.

Texto editado por Ana Dias Ferreira.