Rádio Observador

Saúde

Projeto português vence prémio de empreendedorismo

2.204

O projeto de investigação Uromonitor venceu o prémio Everis, no valor de 60 mil euros. O projeto propõe um novo teste - menos invasivo - para a detecção do cancro da bexiga.

A equipa portuguesa trabalha no Ipatimup, um instituto fundado em 1989 e que funciona sob a égide da Universidade do Porto

Getty Images

O projeto português Uromonitor, que desenvolveu um novo método para a detecção do cancro da bexiga, foi distinguido com o prémio Everis, um prémio de empreendedorismo no valor de 60 mil euros. A equipa liderada por Hugo Prazeres, onde constam também os investigadores João Vinagre, Catarina Salgado e Paula Soares, desenvolveu um método de detecção menos invasivo para os pacientes.

O método tradicional para detectar o cancro da bexiga chama-se citoscopia, e consiste na introdução de uma sonda pela uretra até à bexiga. Para além de ser menos desconfortável que o método tradicional, o Uromonitor, que já foi clinicamente validado, tem vantagens competitivas, já que o seu custo representa sensivelmente metade do de uma citoscopia. Segundo explica a Everis no comunicado à imprensa, este novo método trata-se de um “ensaio ultra-sensível de diagnóstico hospitalar para detectar na urina mutações genéticas que provocam cancro da bexiga”.

A equipa distinguida com o prémio trabalha no Instituto de Patologia e Imunologia Molecular (IPATIMUP), da Universidade do Porto. O responsável da equipa, Hugo Prazeres, de 38 anos, é biólogo de profissão e tem um doutoramento em Bio Medicina. Em declarações citadas no comunicado de imprensa da Everis, Hugo Prazeres explicou que um dos objetivos de concorrer ao prémio era “ter apoio no plano de negócios e chegar junto de possíveis investidores que ajudassem a financiar a entrada do teste no mercado global”, reiterando ainda que o Uromonitor traz “benefícios para os doentes e uma significativa redução dos custos”.

O Prémio Empreendedorismo é dado pela Fundação Everis, criada em 2001. Os seus objetivos são “promover o talento na investigação, o espírito empreendedor e a investigação a nível internacional”. Para além dos 60 mil euros dados ao vencedor, a Fundação distribui 40 mil euros pelas restantes menções honrosas, e oferecerá ainda ao vencedor e restantes finalistas um serviço de assessoria avaliado em 10 mil euros.

António Brandão de Vasconcelos, o chairman da Everis e trustree da fundação, manifestou “um grande orgulho” em ver um projeto nacional ser distinguido com o prémio, e disse ainda que o prémio demonstra a “qualidade da investigação que é feita hoje em Portugal, que pouco a pouco se tem vindo a mostrar para o mercado”. Para além de ter sido uma investigação portuguesa a arrecadar o prémio, houve ainda outra a ser distinguida entre os seis finalistas: a evoSurg, que aplica o conceito de realidade aumentada à cirurgia laparoscópica, sobrepondo imagens virtuais e reais.

Segundo explica o comunicado da Everis, “os vencedores do Prémio Empreendedores, assim como os projectos a que forem atribuídas Menções Honrosas, participarão nos Prémios Ibero-americanos para a Inovação e Empreendedorismo, convocados pela Secretaria Geral Ibero-americana, da qual a fundação everis é parceira exclusiva em Espanha.”

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)