O projeto português Uromonitor, que desenvolveu um novo método para a detecção do cancro da bexiga, foi distinguido com o prémio Everis, um prémio de empreendedorismo no valor de 60 mil euros. A equipa liderada por Hugo Prazeres, onde constam também os investigadores João Vinagre, Catarina Salgado e Paula Soares, desenvolveu um método de detecção menos invasivo para os pacientes.

O método tradicional para detectar o cancro da bexiga chama-se citoscopia, e consiste na introdução de uma sonda pela uretra até à bexiga. Para além de ser menos desconfortável que o método tradicional, o Uromonitor, que já foi clinicamente validado, tem vantagens competitivas, já que o seu custo representa sensivelmente metade do de uma citoscopia. Segundo explica a Everis no comunicado à imprensa, este novo método trata-se de um “ensaio ultra-sensível de diagnóstico hospitalar para detectar na urina mutações genéticas que provocam cancro da bexiga”.

A equipa distinguida com o prémio trabalha no Instituto de Patologia e Imunologia Molecular (IPATIMUP), da Universidade do Porto. O responsável da equipa, Hugo Prazeres, de 38 anos, é biólogo de profissão e tem um doutoramento em Bio Medicina. Em declarações citadas no comunicado de imprensa da Everis, Hugo Prazeres explicou que um dos objetivos de concorrer ao prémio era “ter apoio no plano de negócios e chegar junto de possíveis investidores que ajudassem a financiar a entrada do teste no mercado global”, reiterando ainda que o Uromonitor traz “benefícios para os doentes e uma significativa redução dos custos”.

O Prémio Empreendedorismo é dado pela Fundação Everis, criada em 2001. Os seus objetivos são “promover o talento na investigação, o espírito empreendedor e a investigação a nível internacional”. Para além dos 60 mil euros dados ao vencedor, a Fundação distribui 40 mil euros pelas restantes menções honrosas, e oferecerá ainda ao vencedor e restantes finalistas um serviço de assessoria avaliado em 10 mil euros.

António Brandão de Vasconcelos, o chairman da Everis e trustree da fundação, manifestou “um grande orgulho” em ver um projeto nacional ser distinguido com o prémio, e disse ainda que o prémio demonstra a “qualidade da investigação que é feita hoje em Portugal, que pouco a pouco se tem vindo a mostrar para o mercado”. Para além de ter sido uma investigação portuguesa a arrecadar o prémio, houve ainda outra a ser distinguida entre os seis finalistas: a evoSurg, que aplica o conceito de realidade aumentada à cirurgia laparoscópica, sobrepondo imagens virtuais e reais.

Segundo explica o comunicado da Everis, “os vencedores do Prémio Empreendedores, assim como os projectos a que forem atribuídas Menções Honrosas, participarão nos Prémios Ibero-americanos para a Inovação e Empreendedorismo, convocados pela Secretaria Geral Ibero-americana, da qual a fundação everis é parceira exclusiva em Espanha.”