Allan Stewart Konigsberg. Se o nome não lhe diz nada, a obra não é fácil de esquecer. Assina-as com “Woody Allen”, sempre com uma pitada de humor e atrevimento. Nasceu há precisamente 80 anos: a 1 de dezembro de 1935. Casou três vezes e teve seis filhos.

Quanto às obras, são incontáveis. Tanto quanto os pensamentos controversos que agitam o mundo desde os anos sessenta. O Observador recorda quarenta delas, todas dentro dos temas mais abordados pelo realizador de “Annie Hall”: amor, sexo, mulheres, condição humana, religião e — claro — humor.

Amor e sexo

“Os homens aprendem a amar as mulheres quando se sentem atraídos por elas. As mulheres aprendem a sentir-se atraídas quando se apaixonam pelos homens”.

“Sexo sem amor é uma experiência sem significado, mas enquanto experiência sem significado é mesmo muito boa”.

“Eu não sei qual é a pergunta, mas o sexo é definitivamente a resposta”.

“A diferença entre o sexo e o amor é que o primeiro liberta tensões, enquanto o segundo as causa”.

“Querida, foste tu que paraste de dormir comigo, sim? Vai fazer um ano a 20 de abril. Lembro-me porque era o aniversário do Hitler”.

Eu sou um bom amante porque pratico o amor em mim mesmo.

“‘Amor’ é uma palavra demasiado fraca para aquilo que sinto – Eu aaaaaamo-te, sabes, eu amoa-te, eu amo-tte. Sim, com dois T’s”.

“Eu estava com náuseas e a tremer por todo o lado. Ou estava apaixonado ou estava com varíola”.

“Amar é sofrer. Para evitar o sofrimento não se pode amar. Mas depois sofre-se por não se amar. Então, amar é sofrer; não amar é sofrer; sofrer é sofrer; mas sofrer faz as pessoas tristes. Então, para ser feliz uma pessoa tem de amar, ou amar para sofrer, ou sofrer de tanta felicidade”.

“O casamento é a morte da esperança”.

“Será o sexo algo sujo? Apenas se for muito bem feito”.

“Não menosprezem a masturbação. É fazer sexo com alguém que se ama”.

“Só há um tipo de amor que prevalece: o não correspondido”.

Condição humana

“Eu não tenho medo da morte, apenas não quero estar lá quando ela acontecer”.

“E se nada existir e estivermos todos no sonho de alguém?”

“Se não estás a falhar uma e outra vez é porque não estás a fazer nada muito inovador”.

“A liberdade é o oxigénio da alma”.

“A vida está cheia de miséria, solidão, sofrimento – e tudo acaba cedo demais”.

“Todas as pessoas sabem a mesma verdade. As nossas vidas consistem em como escolhemos distorcê-la”.

“Não acredito na vida depois da morte, mas mesmo assim trouxe uma peça a mais de roupa interior”.

“Na próxima vida eu quero começar a viver ao contrário. Começar na morte e acabar num orgasmo”.

Este ano sou uma estrela, mas o que vou ser no próximo ano? Um buraco negro?

“Eu não quero alcançar a imortalidade através do meu trabalho. Eu quero alcançá-la não morrendo”.

“A vida não imita a arte. A vida imita má televisão”.

“Podes viver até aos 100 anos se abandonares todas as coisas que te fazem querer viver até aos 100 anos”.

“Se queres fazer rir Deus, conta-lhe os teus planos”.

“O meu único arrependimento na vida é não ser outra pessoa”.

“Parecia que o mundo estava dividido em boas pessoas e más pessoas. Os bons dormiam melhor, enquanto os maus pareciam aproveitar muito melhor as horas acordados”.

Humor

“Há coisas bem piores na vida que a morte. Alguma vez passou um final de tarde com um vendedor de seguros?”.

“Em Beverly Hills eles não deitam o lixo fora. Transformam-no num programa de televisão”.

“Se ao menos Deus me desse um sinal claro… Como fazer um grande depósito em meu nome num banco suíço”.

“Fico impressionado com as pessoas que querem conhecer o Universo quando já é tão difícil encontrar um caminho em Chinatown”.

“Eu devia ir até Paris para me atirar da Torre Eiffel. Se fosse no Concorde morria três horas antes”.

Durante a maior parte do tempo não tenho muita graça. No resto do tempo não tenho graça nenhuma.

“Em minha casa, eu sou o chefe. A minha mulher é só quem toma as decisões”.

“O cérebro é o meu segundo órgão favorito”.

“A realidade é dura, mas é o único lugar onde se pode comer um bom bife”.

“Eu acredito que há algo por aí a olhar para nós. Infelizmente, é o governo”.

“E se for tudo uma ilusão e nada existir realmente? Nesse caso, definitivamente paguei a mais pela minha carpete”.

“A última mulher em que eu estive foi a Estátua da Liberdade”.