Fotogaleria

Estas estrelas da Disney cresceram e estão a dar que falar

Depois de ver Selena Gomez esbanjar sensualidade no novo vídeo "Hands to Myself", reunimos as celebridades que marcaram a infância de uma geração antes de saírem da casca.

O nome Miley Cyrus é facilmente reconhecível e Selena Gomez também começa a ser — especialmente depois do lançamento do sensual videoclipe da música “Hands to Myself“. É um fenómeno que não é novo. Acontece geração após geração às personagens principais das séries de televisão infantis de canais como a Disney ou Nickelodeon.

Começam por ser meros adolescentes que dão a cara por enredos divertidos mas rapidamente se transformam em estrelas com grande sucesso de audiências. Uma fama prematura que vem carregada de responsabilidades para um público que os vê como um exemplo a seguir e ainda de um contrato que os proíbe de ter qualquer atitude imprópria. Não podem usar decotes, ter comportamentos rebeldes e — muito menos — dizer palavrões.

Assim que o contrato acaba, acordam para uma infinidade de possibilidades que pode facilmente levá-los para maus caminhos. Grande parte deles deixa de lado a representação e dedica-se à música, passando a querer mostrar ao mundo quem realmente são: provocadores, atrevidos e (literalmente) despidos de preconceitos. Miley Cyrus, a estrela de Hannah Montana, é um desses exemplos. A figura pública que provavelmente mais nasceu no meio de expectativas — por ser filha do famoso cantor Billy Ray Cyrus — foi aquela que mais desiludiu os fãs pela excentricidade da sua personalidade e irreverência das roupas.

Por sua vez, as cantoras Selena Gomez — estrela da série Os Feiticeiros de Waverly Place –, Demi Lovato — do filme Camp Rock — e Ariana Grande — da série Victorious — também estão a dar que falar três anos depois de se terem afastado dos programas destinados aos mais novos. Se Grande aparece agora provocante à frente das câmaras em “Focus”, Lovato está mais confiante em “Cool for the Summer” onde não faltam decotes, nudismo e poses sensuais.

Se eles evoluíram como pessoas, o mesmo se pode dizer das músicas. Enquanto antes as letras se focavam nas emoções do primeiro amor ou do primeiro beijo, agora têm um cariz altamente sexual. Por exemplo, os irmãos Nick e Joe Jonas — da série Jonas — não poupam nas modelos destapadas e até Zendaya — de Shake it Up! — não dispensa os comentários sensuais.

Comprove, em fotogaleria, todas as estrelas de séries de televisão infantis/adolescentes que cresceram, saíram da casca e estão a dar (muito) que falar.

Texto editado por Ana Dias Ferreira.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

E se o nosso futebol fosse gerido por comunistas?

João Pestana de Vasconcelos
600

Se aplicássemos as ideias comunistas ao futebol português, deixaríamos as boas intenções de ajudar os mais desfavorecidos arruinar a sua competitividade. Porque havemos de as aplicar à nossa economia?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)