Banda Desenhada

Dog Mendonça: “Heróis favoritos? Bud Spencer e aquele outro, o Trinitá”

269

Entrevistámos o lobisomem saído de Tondela para salvar a humanidade. Dog Mendonça tem mais histórias para contar, num novo livro de BD sobre as aventuras que protagonizou com o estagiário PizzaBoy

PizzaBoy, Dog e Pazuul no escritório

Dog Mendonça é o maior herói português. Enfrentou abandonos familiares, campos de concentração, nevões e outras desgraças meteorológicas. E depois de ultrapassar tudo isto ainda assumiu o difícil papel de manter longe da humanidade tudo o que é diabos, monstros e uma generalidade de seres do outro mundo que têm o hábito aborrecido de atacar, destruir e conjugar outros verbos do mesmo género. Já agora, acrescentemos um detalhe: Dog Mendonça — que na verdade se chama João Vicente — é um lobisomem. Mas isso é uma vantagem e não o impede de ter um escritório à maneira de um normal detetive privado, em conjunto com PizzaBoy, fiel estagiário na luta contra a malvadez, mais o sócio Pazuul.

As aventuras de Dog Mendonça (e de PizzaBoy, claro) foram contadas em três livros de banda desenhada, por Filipe Melo, Juan Cavia e Santiago Villa, outros tantos tipos a quem agradecemos por nos terem revelado gente tão nobre. Depois de um trio (este número não nos larga) de publicações em que as loucuras desta gente levaram prefixos como “incríveis”, “extraordinárias” e “fantásticas”, nada melhor do que um quarto e derradeiro capítulo, com os “contos inéditos” — especial atenção à passagem destes destemidos por terras americanas.

Falámos com João “Dog” Vicente por email, sobre o passado, o futuro e Bud Spencer. De onde veio, para onde vai e o que o Clube Desportivo Tondelense pode (ou não) vir a alcançar. Dog é curto nas respostas mas decidido na atitude. E, no fundo, é isso que importa:

ineditospizzaboy

Olá Dog. Já agora, posso tratá-lo por Dog ou devo usar o seu nome próprio, João Vicente?

Até podes chamar-me “papá”, se quiseres.

Ainda a propósito de nomes, porque é que trata o Eurico, o seu estagiário, por PizzaBoy? Ele era distribuidor de pizzas, mas…

A questão aqui é porque é que insistem em tratar o Pizzaboy por Eurico! (risos) Agora a sério — durante uns tempos valentes não me lembrava mesmo do nome do rapaz. Tinha “Pizzaboy” escrito no casaco. Dava imenso jeito. E é assim, meu caro, que surgem as alcunhas.

Para quem não o conhece, pode explicar quem é e o que faz?

Agora que a coisa finalmente se tornou mais ou menos pública, posso dizer com orgulho que durante vários anos servi de mediador entre o mundo dos humanos e o mundo dos… bem, não-humanos, à falta de um termo melhor.

dog2

João “Dog Mendonça” Vicente

Nunca teve medo, nessas lutas contra monstros e demónios?

Amigo, a única vez que tive medo na vida foi quando percebi que o Clube Desportivo Tondelense podia voltar à segunda divisão.

É um lobisomem. Que vantagens é que isso tem?

Ser lobisomem é uma maldição. Faz tanto sentido como perguntar: “Que vantagens é que tem sofrer de hemorróidas?” ou “Que vantagens é que tem viver em Estarreja?”

Pessoas importantes como John Landis, George A. Romero, Tobe Hooper ou Lloyd Kaufman gostam muito das suas aventuras. Porque será?

Não sei quem são esses senhores, mas agradeço-lhes e espero que venham a Lisboa para lhes poder agradecer pessoalmente.

Gosta de ser uma personagem de BD ou gostava mais de ser uma pessoa de carne e osso? Quero dizer, sabe que é uma personagem de BD, certo?

Já não é a primeira vez que me perguntam isso, e respondo-lhe o mesmo: ninguém me garante que não é ao contrário e que eu sou um tipo de carne e osso e o amigo é que é um boneco. Ahn? Dá que pensar, não dá?

Quando não está a combater as forças do mal o que é que gosta de fazer?

Comer e dormir. E tenho imensa pena de não conseguir fazer as duas coisas ao mesmo tempo.

Ao nível de heróis que combatem seres maléficos, quais são os seus favoritos, quem é que o influencia?

Olhe, não é uma pergunta fácil. Assim à partida diria que o Bud Spencer e aquele outro que andava sempre com ele, o Trinitá. Passo tardes a ver essas fitas com o meu sócio no escritório, e nunca ficam velhas. Aquilo é que eram heróis a sério. Corriam com os seres maléficos todos à chapada.

Não acha que já levavam as suas histórias para o cinema?

Levem-nas para onde quiserem, mas mandem-me o cheque, que tenho um esquentador para arranjar.

pizzaboy

Eurico, aka PizzaBoy

Já que é um herói da BD, pergunto-lhe: gosta de BD? E gosta mais de super heróis ou de histórias mais profundas?

Agradeço as suas palavras, caro Tiago. Repare — nunca me considerei um herói. Sou um tipo que gosta de pessoas e, sempre que percebo que há alguém que está contra elas, vejo-me obrigado a intervir. Isso é um herói? Talvez. É tão simples como isso. Qual era a pergunta?

Esteve pelos EUA numa espécie de digressão. Era tipo para se mudar para lá?

Às vezes comento com o Pazuul (o meu sócio) que não me importava de ir a Las Vegas. Mas mudar-me para lá? E o caldo verde? E o sumol de ananás? Deus me livre. Estou aqui e estou muitíssimo bem.

Haverá mais livros com as suas aventuras? Ou acha que já chega?

Sabe, se o amigo tivesse lido os livros em vez de estar para aí a conjeturar, teria percebido que eu me reformei. Se quisesse fazer mais livros, já estavam feitos e estava a falar deles em vez de estar para aqui com este interrogatório.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: tpereira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)