Rádio Observador

Companhia Nacional de Bailado

Companhia Nacional faz 40 anos em 2017 e dança cinco estreias absolutas

413

Cinco estreias absolutas, entre elas "Uma História da Dança", de Bruno Cochat, integram a nova temporada 2016/17 da Companhia Nacional de Bailado, que celebra 40 anos em 2017.

Tiago Petinga/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Cinco estreias absolutas, entre elas “Uma História da Dança”, de Bruno Cochat, integram a nova temporada 2016/17 da Companhia Nacional de Bailado (CNB), que celebra 40 anos em 2017, e inspira-se na poesia de Ana Hatherly.

De acordo com a programação da nova temporada enviada à agência Lusa, serão apresentados 10 programas, cinco deles em estreia absoluta, um em estreia nacional, e quatro reposições, num total de 120 espetáculos, cerca de metade dançados de norte a sul do país, nas ilhas dos Açores e da Madeira.

“Quinze Bailarinos e Tempo Incerto” de João Penalva e Rui Lopes Graça, “Turbulência”, de António Cabrita, Henriett Ventura, São Castro e Xavier Carmo, uma nova versão de “La Bayadére”, de Fernando Duarte e José Capela, e um projeto ainda sem nome de Israel Garván e Carlos Pinillos, serão também projetos em estreia absoluta pela CNB.

Ainda na próxima temporada, que tem início a 15 de setembro, está prevista a apresentação de “ITMOI – In the Mind of Igor”, de Akram Khan, uma estreia em Portugal, e regressarão “A perna Esquerda de Tchaikosvski”, uma criação de Barbora Hruskova, Mário Laginha e Tiago Rodrigues.

Também está prevista a reposição do programa com quatro coreografias “Treze gestos de um Corpo/Será que é uma Estrela/Herman Schmerman/Minus16” de Olga Roriz, Vasco Wellenkamp, Willima Forsythe e Ohad Naharin.

Está igualmente prevista uma digressão internacional do espetáculo “Tábua Rasa”, uma coprodução CNB/Vo´Arte ao SIDance Festival de Seul, na Coreia do Sul, em outubro deste ano.

Em digressão nacional, este ano, estará “Romeu e Julieta”, de Rui Horta, em setembro, a Montemor-o-Novo, e “La Bayadére” a Almada, em dezembro, e de outras peças coreográficas em 2017, a cidades como Bragança, Castelo Branco, Funchal, Angra do Heroísmo, Beja, Setúbal, entre outras.

O filme de Cláudia Varejão, “No Escuro do Cinema Descalço os Sapatos”, que teve estreia nacional em janeiro deste ano, em Lisboa, e internacional em Paris, no Centro George Pompidou, em março, será também projetado em todos os teatros onde a CNB passar em digressão nacional.

A nova temporada incluirá ainda projetos educativos, comunitários e criativos, ´master classes´, projetos de aproximação à dança, oficinas coreográficas, e cursos de dança de verão.

Sophia de Mello Breyner Andresen deu o mote à temporada de 2014/2015, a temporada que agora termina é inspirada por outra poetisa, Adília Lopes, enquanto a próxima segue a obra da artista plástica, poeta, romancista e tradutora Ana Hatherly (1929-2015).

Foi a 22 de junho de 1977, que o poeta e então secretário de Estado da Cultura, David Mourão Ferreira, assinou o despacho de criação da CNB, que em 2017 irá completar 40 anos, e é, desde 2010 dirigida por Luísa Taveira, reconduzida este ano, pelo Ministério da Cultura, até 2018.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

A sobrevivência do socialismo /premium

André Abrantes Amaral

O socialismo é a protecção de um sector contra os que ficam de fora. O desejo de ordem e a desresponsabilização é natural entre os que querem segurança a todo o custo.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)