Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

“Uma pioneira que ofereceu às mulheres liberdade de movimento”. Estas foram as palavras que François Hollande escolheu para elogiar Sonia Rykiel depois de anunciar a sua morte esta quinta-feira. Em comunicado, o gabinete do Presidente da França revelou que a designer francesa faleceu aos 86 anos. Cerca de 15 anos depois de Sonia Rykiel anunciar que sofria da doença de Parkinson. Uma frase que resume um nome que conquistou o mundo da moda internacional ao desenhar malhas irreverentes e roupas casuais para o guarda-roupa feminino.

Tudo começou quando, grávida do primeiro filho, não encontrava roupas que considerasse confortáveis. A partir daí, Sonia Rykiel decidiu tricotar vestidos, criações que seduziram Brigitte Bardot, Catherine Deneuve e Audrey Hepburn. Depois de abrir o seu primeiro atelier em 1986, conquistou um império (com linhas de mulher, homem, criança, acessórios e até perfumes) que inclui colaborações com a casa de fast fashion H&M.

HM_Sonia-Rykiel_butterboom_3

Sonia Rykiel apresentou uma coleção icónica de malhas para a Primavera de 2010, em colaboração com a H&M. (foto: Divulgação)

Em 1993 foi distinguida com a Ordem Nacional de Mérito, Oficial das Artes e das Letras pelo Ministério da Cultura francês. Três anos depois, recebeu a Ordem Nacional e Legião de Honra pelos seus célebres 40 anos de serviço à moda francesa.

A coleção de outono/inverno da marca já está à venda na loja online, a última que conta com Sonia Rykiel como presidente honorária. A casa parisiense ainda não prestou declarações mas a filha Nathalie Rykiel já confirmou que vai continuar à frente da marca.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR