Investigadores que estavam fazer escavações num dos mais mortíferos campos nazis da história, o Sobibor na Polónia, descobriram um colar que acreditam ter ligações a Anne Frank. O colar é bastante semelhante ao que usava a rapariga judia que escreveu um dos mais famosos diários da história da II Guerra Mundial, e pertencia a Karoline Cohn, outra jovem judia, informou no domingo o memorial israelita do holocausto, Yad Vashem, dá segundo o The Telegraph.

Segundo o memorial, Karoline Cohn estava ligada a Anne Frank. Ambas nasceram em Frankfurt, em 1929, e os historiadores não encontraram mais nenhum colar como o delas, que ambas usavam. Anne Frank, no entanto, morreu em 1945, no campo Bergen-Belsen, Alemanha.

O colar, mais concretamente o seu pendente, é em forma triangular, e num dos lados pode ler-se “Mazal Tov”, em hebraico, juntamente com a data de nascimento de Karoline. Do outro lado do fio, está a letra hebraica “heh”, que significa Deus, bem como a estrela de David.

Os historiadores estão, neste momento, a tentar pesquisar os familiares de ambas as jovens para verificar se, realmente, existe uma ligação entre elas. Desde 2007, o memorial Yad Vashem, juntamente com a autoridade de antiguidades de Israel, tem conduzido várias investigações no antigo campo nazi .

Ainda que, em outubro de 1943, se tenha tentado “apagar as marcas” do que se havia passado neste campo, os arqueólogos conseguiram encontrar não só as câmaras de gás como, até, a plataforma original do comboio que por lá passava. Mais de 250 mil judeus foram mortos em Sobibor, no leste da Polónia, um dos mais mortíferos campos nazis da história.

Ao contrário de outros campos, que tinham uma área para trabalhos forçados, o Sobibor foi construído apenas para o extermínio de judeus. As vítimas eram transportadas em carros de gado e eram, logo depois, mortas nas câmaras de gás.