Rádio Observador

Cubo de Rubik

Rubik conquista cada vez mais fãs fascinados pela “magia” do cubo

O puzzle criado por um escultor húngaro que atingiu o pico da sua popularidade nos anos 1980 tem cada vez mais fãs em Portugal, fascinados pela "velocidade" e "magia" do cubo de Rubik.

PAULO NOVAIS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O puzzle criado por um escultor húngaro que atingiu o pico da sua popularidade nos anos 1980 tem ganhado cada vez mais fãs em Portugal, fascinados pela “velocidade” e “magia” por trás do cubo de Rubik.

No Exploratório de Coimbra, só se ouve o som ritmado das camadas do cubo a dançarem pelos dedos dos participantes do ExploraRubik, uma competição internacional que reuniu hoje na cidade 45 participantes de vários países.

O ExploraRubik é “a maior competição” em Portugal e tem vindo a crescer de ano para ano, nota o delegado nacional da World Cube Association, António Gomes.

Quem vê alguém a resolver o cubo de Rubik no espaço de segundos ou minutos, possivelmente não consegue perceber como é que se alinham as camadas da mesma cor em tão pouco tempo.

É esse mesmo fascínio, potenciado por vídeos no Youtube ou nas redes sociais, que tem “atraído cada vez mais pessoas”, disse à agência Lusa António Gomes, sublinhando que, a participar, há crianças com dez, 11 ou 12 anos de idade, de ambos os sexos.

Por trás de algo que aparentemente parece mágico, há algoritmos, destreza de dedos, memorização e “capacidade de raciocínio lógico matemático”, sublinha.

O fascínio, realça, está relacionado com o facto de o cubo, “uma coisa tão simples”, ter combinações “astronómicas”.

De acordo com António Gomes, o cubo de Rubik normal “tem 43 quintiliões de combinações. São 18 zeros à frente”.

“O ‘embaralhamento’ é sempre novo, quase nunca se repete, é quase sempre um desafio novo”, frisa.

À medida que a pessoa se familiariza com o objeto, acaba por aprender também uma “linguagem própria”, como o ‘sexy move’ ou ‘sledgehammer’, nomes de algoritmos de quatro movimentos muito utilizados, explana.

Margarida Coelho, de nove anos, demora “um minuto” a resolver um cubo de Rubik e realça que gosta “de aprender algoritmos novos”, naquilo que classifica de um “passatempo engraçado”.

O que motiva Luís Barradas, de 17 anos, a pegar no cubo de Rubik todos os dias “é tentar fazer cada vez mais rápido”.

Para isso, há que “aprender os algoritmos”, mas também treinar “olhar para o cubo e saber o que se tem de fazer” antes de se começar a resolver, conta o jovem que veio de Lisboa especificamente para participar no ExploraRubik.

“Acho que os meus dedos quase que precisam disto. Apanha-se o gosto de mexer nas camadas”, conta à Lusa Luís Nascimento, que de há dois anos para cá pega no cubo todos os dias, depois de chegar a casa, e faz “uns tempos” à frente do computador para “desanuviar”.

Os tutoriais no Youtube ajudaram-no a aprimorar a técnica de uma brincadeira que é sempre diferente.

“É impossível resolver todos os estados do ‘embaralhamento’. Cada resolução tem o seu algoritmo, o seu próprio fascínio. Nunca se perde o interesse. Nunca é a mesma coisa”, aponta.

A competição de hoje contou com 45 participantes, oriundos de países como Portugal, China, Itália ou Reino Unido, que concorreram em seis categorias em competição: o cubo menor 2x2x2, o tradicional cubo mágico 3x3x3, o cubo de maior dimensão 4x4x4, o piraminx, em forma de pirâmide, e ainda o cubo 3x3x3 nas modalidades vendado e só com uma mão.

Nos participantes da competição há adultos e crianças, num evento cujas inscrições “esgotaram em praticamente 48 horas”, informou o Exploratório de Coimbra.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)