Rádio Observador

Câmara Municipal Lisboa

PSD confirma Teresa Leal Coelho como candidata à Câmara Municipal de Lisboa

209

Aprovada com maioria pela Distrital do PSD com 23 votos a favor, um contra e dois em branco. Teresa Leal Coelho é oficialmente a candidata do PSD à Câmara Municipal de Lisboa.

António Cotrim/LUSA

A Distrital de Lisboa do PSD aprovou com uma “votação expressiva” o nome de Teresa Leal Coelho para a Câmara Municipal de Lisboa. “Teresa Leal Coelho foi aprovada com 23 votos a favor, dois brancos e um contra. É uma votação mais do que expressiva“, disse aos jornalistas o presidente da distrital, Miguel Pinto Luz, à saída da reunião.

Na mesma reunião da distrital, foi aprovado o nome de Hélder Sousa para a Câmara Municipal de Mafra e o nome de Helena Jesus para a Câmara Municipal de Vila Franca de Xira. Ficam a faltar os nomes do PSD para as câmaras de Oeiras, Odivelas e Loures.

Sobre o facto de Teresa Leal Coelho ter faltado a 91 reuniões da Câmara Municipal de Lisboa, como foi avançado pelo Observador na sexta-feira, Miguel Pinto Luz esclareceu que a candidata do PSD “não faltou, fez-se substituir”.

“Não foi de férias, não foi passear para as Caraíbas. A dra. Teresa Leal Coelho preside a uma das comissões mais importantes do Parlamento e, nessa casa da democracia, teve o seu papel. Foi nesse sentido que a Teresa Leal Coelho teve de ser substituída em muitas reuniões de Câmara. Não por estar de férias, mas por ter de exercer o seu mandato de deputada, que é muito importante para o nosso país”, afirmou.

Sobre a chegada tardia do nome de Teresa Leal Coelho como a candidata do PSD a Lisboa, o presidente da distrital desvalorizou. “Pelo que julgo saber, o Partido Socialista ainda não apresentou o seu candidato à Câmara Municipal de Lisboa. 31 de março era o prazo limite para a apresentação do candidato do PSD. De facto, vi uma feira de nomes na comunicação social, mas a única coisa que posso dizer é que este é o nome oficial do PSD. Todos os outros foram uma feira da comunicação social”, frisou.

Plenário da concelhia agitado

Antes de o nome de Teresa Leal Coelho ser aprovado a nível distrital este domingo, já tinha sido apreciado pelo plenário de militantes da PSD de Lisboa, na passada sexta-feira à noite. A reunião foi das mais participadas dos últimos anos, segundo as fontes do Observador, com muitas intervenções, polémica e contestação. Mas não foi conduzida por Fernando Seara, o presidente da mesa da concelhia — que mais uma vez faltou à reunião — mas sim por João Mota Lopes, o primeiro vice.

O encontro ficou marcado em pelo menos dois momentos. O primeiro foi quando Rodrigo Gonçalves, representante de uma das fações do PSD lisboeta, apresentou uma moção com três pontos: apoio incondicional a Teresa Leal Coelho, apoio a todos os presidentes de junta em funções (o que implica apoio ao seu próprio pai, que preside à junta das Avenidas Novas); e todo o processo eleitoral, como a escolha de vereadores, assembleia municipal e executivo de juntas ter de passar pelo plenário. A proposta foi aprovada por 71 votos e uma abstenção, mas com a ameaça de impugnação. O segundo momento foi protagonizado por Paulo Ribeiro, que lidera o gabinete de estudos da distrital do PSD, disse que ia impugnar a decisão, tendo em conta uma alegada irregularidade na convocatória do plenário: segundo as regras devia ter havido uma publicação de um anúncio no Povo Livre pelo menos uma semana antes da reunião, o que não terá acontecido.

O encontro de militantes ficou marcado por críticas a Mauro Xavier, o presidente da concelhia de Lisboa, que foi ultrapassado desde o início do processo na escolha do candidato à câmara de Lisboa. Pedro Rodrigues, ex-líder da JSD e antigo candidato à distrital de Lisboa, criticou as estruturas concelhias e distrital, por durante três anos terem assumido que havia uma estratégia e agora “vêm dizer que a responsabilidade é do presidente do PSD”. Ao Observador, Pedro Rodrigues resume: “A distrital e a concelhia não têm estratégia. Reduziram Lisboa à possibilidade de candidatura de Santana Lopes. Mas o homem resolveu não ir e agora criticam o presidente do PSD”, afirma o militante que se tem destacado nos últimos tempo como crítico de Pedro Passos Coelho.

Pedro Rodrigues chegou a partilhar no Facebook um post na sequência da reunião, com o seguinte comentário: “Confesso que continuo a aspirar ao tempo em que no distrito de Lisboa conquistávamos eleições autárquicas e representávamos os cidadãos, compreendendo-os e sendo porta voz das suas inquietações e das suas ambições!”

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Lisboa

Uma grande oportunidade - o Jardim do Martim Moniz

Jorge Barreto Xavier
549

Estamos fartos da sucessiva e massiva redução do centro histórico das cidades a espaços de lojas, lojecas e lojinhas; de hotéis, hoteizinhos e apartamentos turísticos; de restaurantes, cafés e bancas.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)