Volvo Ocean Race

Diretor-executivo da Volvo Ocean Race demite-se a um mês do início da prova

A um mês do início da Volvo Ocean Race 2017/18, o diretor-executivo Mark Turner demitiu-se por desentendimentos quanto à edição 2019/20 da volta ao mundo à vela com escalas.

A prova realiza-se há 44 anos

NIC BOTHMA/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A um mês do início da Volvo Ocean Race 2017/18, o diretor-executivo Mark Turner demitiu-se por desentendimentos quanto à edição 2019/20 da volta ao mundo à vela com escalas.

Como resultado desta determinação de rever as decisões quanto aos barcos e datas da próxima edição, o atual CEO da corrida, Mark Turner, decidiu demitir-se. Continuará em funções até que seja nomeado um sucessor, uma busca que já principiou”, revelaram os organizadores, em comunicado.

A edição de 2019/20 estava prevista ser realizada com barcos novos, mas, após conversas com as diversas partes interessadas, chegou-se à conclusão de que é necessário um tempo adicional para a planificação, para implementar as alterações recentemente anunciadas no calendário da regata.

Após discussões entre os dois proprietários do evento, concluiu-se que, para garantir plenamente as mudanças anunciadas, é necessário mais tempo. É muito cedo para a Volvo projetar-se com um início de corrida em dois anos. É sobretudo desacelerar o ritmo enquanto continua a trabalhar no futuro design”, explica o comunicado.

A edição 2017/18 não está em causa em qualquer dos seus aspetos e, quanto ao futuro, a Volto assume o compromisso de garantir que qualquer alteração proporcionará benefícios sustentáveis, a largo prazo, tanto à regata como às equipas participantes.

A competição é uma longa corrida de oito meses que desde 2005 funciona a cada três anos com barcos monótipo: Mark Turner, que está em funções há ano e meio, anunciou em maio que a competição seria bianual com um cronograma agendado para 2019, com um barco novo, 18,28 metros (60 pés) e velas laterais, que permitem que o barco voe mais na água.

A competição que existe há 44 anos principia a próxima edição a 22 de outubro em Alicante, Espanha, rumo a Lisboa, e termina em Haia, na Holanda, em junho de 2018, passado pela Cidade do Cabo (África do Sul), Melbourne (Austrália), Hong Kong e Guangzhou (China), Auckland (Nova Zelândia), Itajaí (Brasil), Newport (Estados Unidos), Cardiff (País de Gales) e Gotemburgo (Suécia).

A prova, que vai percorrer 45.000 milhas náuticas, vai contar com sete equipas profissionais.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Europeias

Não há eleições europeias /premium

João Marques de Almeida

O parlamento europeu serve sobretudo para reforçar o poder dos grandes países, cujos partidos dominam os grupos políticos e, principalmente, as comissões parlamentares se fazem as emendas legislativas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)