O ator Dustin Hoffman está a ser acusado de assédio sexual pela escritora Anna Graham Hunter, que se queixa do comportamento do ator em 1985, quando ela tinha 17 anos e trabalhava como estagiária nas rodagens do filme “Death of a Salesman”. A denúncia foi feita num artigo publicado esta quarta-feira no The Hollywood Reporter, depois de nas últimas semanas terem vindo a público diversos casos de assédio e de abusos sexuais a envolverem estrelas de Hollywood.

No artigo, Anna Graham Hunter conta alguns dos episódios: “Ele [Dustin Hoffman] flirtava abertamente comigo, apalpava-me o rabo e falava comigo e à minha frente sobre sexo. Uma manhã foi ao camarim dele para anotar o que ele queria tomar ao pequeno-almoço. Ele olhou para mim, sorriu e fez um compasso de espera. Foi então que ele disse: ‘Vou querer um ovo cozido e um clitóris a ferver’. A comitiva dele riu-se. Eu fiquei sem palavras, fui a correr para a casa de banho e chorei”.

O ator já reagiu num comunicado enviado ao The Hollywood Reporter, pedindo desculpa pelo seu comportamento. O ator destacou que tem “o maior respeito pelas mulheres e sente-se terrível por qualquer coisa que possa ter feito que possa ter colocado [a então estagiária] numa situação desconfortável”. Hoffman acrescentou ainda: “Lamento muito. [Esse ato] não reflete a pessoa que eu sou“.

Hunter detalhou o alegado comportamento de Hoffman ao longo das cinco semanas de estágio, num diário que ela enviou nessa altura para a irmã. Num dos dias escreveu: “Hoje, enquanto caminhava para a limusina de Dustin, ele apalpou-me o rabo quatro vezes“. A estagiária conta que chegou a bater no ator e chamou-lhe “velho sujo”. O seu supervisor, a quem ela se queixou na altura, pediu-lhe que se “sacrificasse” pela produção.

A escritora admite que o que sofreu se enquadra naquilo que era prática em Hollywood, mas defende que isso não desculpa o comportamento do ator: “Ele era um predador, eu era criança, e isso é assédio sexual”.

Hoffman já tinha sido criticado quando foi revelado que bateu em Meryl Streep e a provocou sobre a morte do namorado durante uma cena do filme “Kramer contra Kramer”, para que a atriz tivesse um melhor desempenho. O ator justificou que nessa altura estava a divorciar-se e se refugiou em drogas, o que lhe alterava o comportamento.

Nos últimos dias têm vindo a público várias histórias de assédio em Hollywood que envolveram Harvey Weinstein, James Toback e o ator Kevin Spacey. Já esta quarta-feira seis mulheres acusaram — incluindo as atrizes Natasha Henstridge e Olivia Munn — o realizador e produtor Brett Ratner de assédio sexual.