Rádio Observador

Festival Eurovisão da Canção

Do primeiro para o último lugar: Portugal sai derrotado da Eurovisão 2018

1.694

Há um ano Salvador Sobral arrancou 758 pontos com "Amar Pelos Dois", este ano Portugal terminou no fundo da tabela, com 39. No final, as concorrentes Cláudia e Isaura não prestaram declarações.

Chegou ao fim a 63ª Eurovisão: Israel é vencedora, Portugal, país anfitrião, ficou em último lugar

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

É oficial e impossível de ignorar: “O Jardim” de Isaura e Cláudia Pascoal não impressionou a Eurovisão. Depois da vitória de Salvador Sobral em Kiev, no ano passado, que trouxe pela primeira vez o festival a Lisboa, Portugal chegou ao fim da 63ª edição do concurso em último lugar, numa tabela de 26 países. Metade dos pontos foram atribuídos pelos jurados de 42 países, a outra metade pelos televotos que começaram assim que a última atuação terminou. Israel ficou em primeiro lugar e venceu a competição com a música “Toy”, de Netta.

Mas vamos às contas que nos dizem respeito. A pontuação dada pelo público não foi descriminada, logo, não há forma de saber que países contribuíram para os míseros 18 pontos que Portugal arrecadou. Um número partilhado com a vizinha Espanha, com a diferença de que a música e Amaia e Alfred trazia 43 pontos da votação do júri, enquanto nós, apenas 21. O número 18 foi, aliás, a segunda pontuação mais baixa atribuída via televoto. Abaixo disso, só mesmo os 9 pontos atribuídos à Austrália.

© João Porfírio/Observador

No caso dos pontos dados pelo júri de cada país, aí já fica mais fácil personalizar, que é como quem diz de ver quem são os verdadeiros amigos e de cultivar aqueles ódios de estimação. Comecemos pelos primeiros. Contra todas a expectativas, foi o júri da Lituânia o que deu a Portugal o maior número de pontos, 7. Logo a seguir, a Irlanda, com uma esmola de 6 pontos. Estónia e Suíça contribuíram com 3 pontos cada um e, por fim, os dois pontos dados pela Holanda que, só por acaso, até foram os que nos inauguraram o contador. Portugal partiu para a contagem dos televotos em penúltimo lugar, apenas à frente da Ucrânia, que de 11 pontos passou para 130, aproximando-se do meio da tabela.

Curioso foi também o facto de, durante a comunicação dos votos do jurí de cada país, três dos representantes falarem português. Da Suíça, não surpreende, mas da Austrália e da Finlândia nem por isso.

Quadro com as classificações finais desta edição da Eurovisão

Esta não é a primeira vez que Portugal rapa o fundo da tabela da Eurovisão, tão pouco o resultado mais humilhante da comitiva portuguesa na Eurovisão. Em 1964, em Copenhaga, “Oração” de António Calvário chegou ao fim com zero pontos. Dez anos depois, no Reino Unido, foi a vez de “E depois do adeus”, de Paulo de Carvalho, bater no fundo, com apenas 3 pontos. E como se os zero pontos de 64 não tivessem sido suficientes, ainda repetimos a proeza em 1997. Célia Lawson foi a Dublin e levou a canção “Antes do Adeus”. Voltou de mãos a abanar.

Terminada a final deste sábado, nenhuma das concorrentes portuguesas prestou declarações. No Instagram, Cláudia Pascoal felicitou a vencedora israelita. Isaura usou a mesma rede social para dizer: “Foi um prazer e um orgulho gigante representar Portugal. Obrigada por tudo!”.

Um ano depois de conseguirmos a melhor classificação de sempre na Eurovisão (Portugal participa na Eurovisão desde 1964, precisamente), os esmagadores 758 pontos que deram a vitória a “Amar pelos dois” de Salvador Sobral, viemos por aí abaixo. Ganhar uma edição do concurso com uma balada em português já foi meio milagroso, usar a mesma fórmula para tentar ganhar uma segunda já parece meio arriscado. Portugal passou do 8 para o 80, ou melhor, do 758 para o 39.

[Veja no vídeo quem é Netta Barzilai, a vencedora da Eurovisão]

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mgoncalves@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)