Zinedine Zidane vai deixar o Real Madrid. “O Real Madrid precisa de continuar a ganhar e para isso é preciso mudar”, disse o treinador francês, esta quinta-feira, numa conferência de imprensa, agendada de surpresa para o meio-dia, hora de Lisboa.

“Tomei a decisão de não continuar como treinador do Real Madrid. É um momento estranho, mas este clube precisa de uma mudança para poder continuar a ganhar, precisa de outro discurso e de outra metodologia de trabalho e é por isso que tomei esta decisão”, afirmou Zidane, que se juntou aos merengues há três anos, a 4 de janeiro de 2016. Com o francês à frente do plantel, o Real Madrid sagrou-se por três vezes consecutivas campeão europeu, além de ter ganho ainda um Campeonato, uma Supertaça de Espanha, dois Mundiais de Clubes e duas Supertaças Europeias.

Antes da conferência de imprensa, Zidane reuniu-se com Florentino Pérez, o presidente do clube, que também esteve presente no momento do anúncio, onde disse aos jornalistas estar surpreendido com esta decisão do treinador.

“Depois de vencer uma Liga dos Campeões, é uma decisão inesperada, mas só podemos respeitar a sua decisão. Quando soube desta notícia, causou-me grande impacto e gostaria de convencê-lo a ficar, mas sei como é”, disse Pérez. E acrescentou: “Quero agradecer-lhe pela sua dedicação, pelo seu amor e por tudo que fez pelo Real Madrid ao longo destes anos. Isto não é um adeus, é um até breve. Mas se ele precisa de uma pausa, ele merece-a.”

Zidane disse que pretende manter-se próximo do clube, mas insistiu que está na hora de fazer uma pausa. “Não estou à procura de outra equipa”, garantiu aos jornalistas.

Depois de três anos, parece-me que é a melhor decisão, mas claro que me posso enganar. Mas depois de três anos, está na hora. Se não consigo ver claramente que vamos continuar a ganhar… Se não vejo as coisas claramente, da maneira que quero… Então está na altura, mais vale mudar do que fazer disparates.”

Questionado pelos jornalistas sobre o porquê desta decisão e o que terá mudado no clube para levá-lo a querer sair, Zidane foi claro: “Nada mudou, é um desgaste natural. Quando vos digo que a 20 de fevereiro não pensava nisto, digo-o com sinceridade. Mas neste clube as coisas podem terminar de um momento para o outro. Eu, depois de três anos, não estou cansado de treinar, mas o meu momento aqui acabou.”

Nessa data, Zidane disse que ia dar tudo para continuar no Real Madrid, o que não veio a acontecer. Esta quinta-feira, ressalvou ainda que quer acabar a sua fase nos merengues em alta e não em baixa.

“Temos de saber quando parar. Faço isto para o bem da equipe, se eu ficasse seria muito difícil conseguirmos vencer no próximo ano. A Liga foi difícil esta temporada, houve momentos onde chegaram a assobiar que não me esqueço. Se é uma questão de viver mais uma época, de começar uma temporada que vai acabar mal, não quero. Quero que termine bem esta etapa no Real Madrid.”

Cristiano Ronaldo “não tem nada a ver” com a decisão

Por várias vezes, questionado pelos jornalistas, Zinedine Zidane reforçou sempre que é o desgaste que o leva a sair, fazendo questão de salientar que a sua decisão nada tem a ver com os jogadores. E quando confrontando com a ideia de que a possível saída de Cristiano Ronaldo possa ter interferido na sua decisão, foi lacónico: “Não tem nada a ver.”

Para o plantel, o treinador só deixou palavras de apreço: “Serenidade, trabalho, entrega, é o que é este clube. Ter o respeito dos jogadores tem sido fundamental e eles não têm nada a ver com a minha decisão. Mas eu sou um vencedor, gosto de ganhar em qualquer coisa, não gosto de perder, e se tenho a sensação de que não vou ganhar, tenho de fazer uma mudança.”